segunda-feira, 24 de abril de 2017

o companheiro nosso de todo dia!

Era um fim de tarde de primavera, acho que 1987. O verão se aproximava; as tardes já eram mais longas e tínhamos o costume de encerrar o dia tomando mate na frente (ou nos fundos) de casa. Meu pai me chamou na cozinha e avisou que ia me ensinar a fazer chimarrão. Não lembro se houve resposta, devo ter dado aquele sorriso discreto (típica de adolescente), que traduzia o pensamento blasé "pra que aprender a fazer chimarrão". Minha  memória daquele fim de tarde se encerra por aqui. O tempo passou, eu cresci, e o mate passou a fazer parte da minha rotina. 

Fato é: em todos os lugares por onde moramos e onde andamos,  o companheiro de todas as horas vai na mala (mais precisamente, na mateira - espécie de bolsa especial pra carregar o chimarrão). Sabe aquela expressão: lá vem ele, de mala e cuia?!?! É a mais pura tradução de que o chimarrão preenche a vida de quem o aprecia!


Para os adeptos e amantes do chimarrão, trata-se de um ritual.  E pra quem, com olhar curioso nível máximo, pergunta qual gosto tem, ou o que é??, no blog chimarrao.com tem uma explicação bacana: "segundo institutos de pesquisa internacionais, é um tônico estimulante do coração e do sistema nervoso: elimina os estados depressivos, conferindo ao músculo maior capacidade de resistência e a fadiga, sem causar efeitos colaterais. Após estudos realizados sobre os efeitos fisiológicos exercidos pela erva mate, concluíram - o emprego da infusão desenvolve as faculdades mentais, tonifica o sistema nervoso e regenera as funções do coração e respiração, facilita a digestão e determina uma sensação de bem estar e vigor no organismo, sem acarretar efeitos colaterais no organismo, como insônia, palpitações ou agitações nervosas provocadas por outras bebidas similares". 

Há alguns anos,  numa "tarde com amigas criativas em Brasilia, rolou post bem bacana e guardo com carinho - fotos Quitandoca!








fotos Quitandoca

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Se é Páscoa, tem amor e ovos!


Há muitos anos (muitos mesmo) as casquinhas de ovos acompanham meus feriados de Páscoa! A tradição já era feita pelas minhas avós, que colocavam ovos cozidos e tingidos na mesa do almoço, ou embebiam as casquinhas (previamente lavadas, é claro)  em balde d`'agua com tinta óleo, e depois de secos, recheavam com amendoim doce. O resultado visual dessa técnica era incrível... mas confesso que há alguns anos fiz em casa e a sujeira foi tão superior à beleza que acabei desistindo de repetir a técnica nos próximos anos! O tempo passou, os ovos passaram a ser decorados pela minha  mãe, e é claro, a próxima da fila fui eu, e  a cada ano, curto decorar e enfeitar de um jeito diferente. 

O ovo é um símbolo bastante antigo, anterior ao Cristianismo, e representa a fertilidade e renascimento da vida. Me encanta  ver que em diversos lugares mundo afora as famílias decoram suas mesas de Páscoa com os tradicionais ovos de galinha, pra acompanhar divertidas e diferentes sugestões é só dar um google, pinterest ou  mesmo garimpar no instagram pra conferir de perto (fiz uma seleção no perfil do instagram #garimposdalugastal - clica AQUI). 

Estive em viagem no último mês e pra essa Páscoa o tempo ficou curto, mas sempre dá tempo de preparar algum detalhe bacana pra surpreender na décor - o post de hoje traz algumas sugestões de decor em casquinhas de ovos; algumas nasceram nessa semana em Lisboa, no  ateliê MundodeSofia, e as demais fiz em anos anteriores (pode rechear com amendoim ou mini chocolates do tipo confetes ou m&m, ou decorar com flores!

 (pra decór da mesa de páscoa, foram usadas casquinhas de ovos com flores secas - sugestão feita nessa semana em Lisboa, no ateliê da Sofia Cotrim)

(aqui usei casca de ovo com aplicações em tecido (sobreposto à cartolina) e detalhes em biscuit e tinta)


(decorei com decoupage - usando figuras que recortei de guardanapos de papel- colei com cola branca em ovos plásticos)

(aqui fiz decoupage com figuras recortadas de guardanapos de papel, e colei em ovos de avestruz, que usei como vaso)

(aqui usei ovos plásticos coloridos na decoração da mesa de Páscoa. Dentro recheei com amendoim)



Ainda dá tempo de rechear e decorar alguns ovos e colorir a Páscoa. Tem vídeo no canal lugastal do youtube, passa lá e confere como fiz a decoupage com guardanapos de papel.
Clica AQUI!



quarta-feira, 22 de março de 2017

Pra não dizer que não falei das cores!

Não tenho escrito por aqui com a frequência que gostaria e confesso que esse nosso canal me é valioso, sinto falta. Mas, porém, contudo, todavia, os últimos meses foram intensos de trabalho/emoções/mudanças, e o tempo é um só (falei sobre isso no último post, passa !) Assim, decidi focar em ações pontuais e me proporcionar os tempos necessários para reordenar toda essa história. (dentre as buscas e mudanças, está uma maior conexão com quem me lê aqui no blog)...



Não é segredo: sou fã das cores e das infinitas opções que elas proporcionam, mas gosto muito de cultivar as lembranças que fazem parte da minha estrada (leia-se, vida!). Nesse processo de mudanças e escolhas do que manteria no meu estúdio, busquei me conectar com tudo o que eu tenho de mais precioso - meu presente e minhas memórias. Alguns objetos já estavam na casa desde o início, outros eu guardava para o momento certo - eis que ele chegou!

Após incessantes dias de trabalho, a reforma do estúdio lugastal foi finalizada, e a várias mãos o conceito de um espaço para criatividade se concretizou. O projeto e decoração da Casa Rosa têm assinatura  Li Puente - a arquiteta/decoradora/cozinheira/artesã que gosta de cores tanto quanto eu!  Todos os espaços da casa têm o seu olhar, respeitando tudo aquilo que é importante em cada história - no estúdio lugastal estão meus "guardados", no ateliê Ludyx têm até fotos de uma menina prendada que bordava e costurava, chamada Marion. E por aí vai... em cada espaço tem uma memória, em cada memória tem uma  história, e têm muitas histórias pintadas nas paredes pela artista Virginia Giulian! Em tempo: muitas histórias bacanas também já estão surgindo!!!

A casa tem funcionado, por enquanto, com horário marcado, mas só estarei presente depois da Páscoa. Eu explico: depois desses quase 3 meses sem descanso, sairei para um período "sabático", e por isso me ausentarei pelas próximas semanas. Pra mim, mais do que qualquer saída da rotina, esse período será uma imersão em um projeto que sonho há uns 5 anos e  realizarei em 2017, e pra que ele aconteça, além de muito trabalho e dedicação, preciso desse tempo só meu. Portanto, queridos leitores do blog lugastal, prometo que novidades legais virão a seguir! 

Por hora deixo com vocês frações das histórias, dos espaços e dos detalhes do mundo lugastal! E pra não dizer que não falei das cores, tem vídeo novo no CANAL LUGASTAL do YOUTUBE - pra assistir clica AQUI!

(vídeo por Bondos - Luz & Poesia)

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Casa Rosa

Há algum tempo tive a certeza de que no 2017 seria um ano de mudanças. Fato é que antes mesmo do 2016 acabar eu já esgotara todas as possibilidades e simulações mentais de redesenhar o meu negócio e estilo de vida. Toda experiência, quando verdadeiramente vivida, tem os momentos bons, os não tão bons, os ruins, as conquistas, os tropeços, os tombos, os encontros, os enganos, as surpresas, e para qualquer novo caminho há uma principal e fundamental ação: levar na mala tudo aquilo que faz sentido. Parece fácil né?! Pois não é, e sabemos disso.

Tenho vivido dias intensos, no maior sentido da palavra. Quando saí para o merecido descanso de natal/ano novo sabia que um recomeço me aguardava. Por quase todos os dias de 2016 pensei nisso, trabalhei por isso, me dediquei para isso. Foi um ano de muita escassez e dificuldades, das mais variadas formas. O ano passado foi um dos mais difíceis que já passei, e mais forte e impactante; coisas boas também aconteceram, e pedir ajuda foi minha maior conquista! Busquei apoio, pedi carinho, trabalhei, chorei, tentei, reformulei, negociei, estudei, saí da toca. Entre idas e vindas do dia a dia, encontrei pessoas novas também buscando o que há de mais especial – ser o que verdadeiramente somos; entendi que se mostrar vulnerável não é vergonha, afinal, o perfeito não existe, entendi que empreender criativamente é meu oxigênio. Aprendi a ser mais autêntica, me mostrar como sou (toda ação gera reação), aprendi a buscar, muito mais do que tudo, um equilíbrio entre família/trabalho/amigos (ter família é uma dádiva e sempre meu maior pilar). Nos últimos anos, quantos "nãos" eu disse sem perceber o quanto era importante dizer SIM (e vice-versa). Precisei ajustar essa equação - família+trabalho+amigos=vida saudável, tarefa nunca fácil;  alguns amigos se afastaram, outros chegaram, declinei alguns trabalhos, observei com mais leveza os conselhos familiares, ouvi as críticas, cuidei de mim. Altos e baixos, idas e vindas, encontros e despedidas, movimentos circulares, a vida como ela é!

Sábio Rei Roberto ao cantar “eu tenho tanto pra lhe falar, mas com palavras não sei dizer”. Há semanas, muitas semanas, quero dividir um pedacinho desse turbilhão de sentimentos, mas entre reformar, organizar, remodelar o novo formato do meu negócio há um misto de alegria e exaustão, e nessas horas as palavras são facilmente trocadas por horas de sono. Em algumas situações fiz escolhas, noutras não tive a oportunidade (aceitar as opções alheias também é um bom exercício). Entender que tudo tem seu tempo, essa é a maior conquista! E o tempo era um artigo de luxo que não fazia mais parte dos meus dias, portanto, foi atrás dele que corri!  (quem assistiu o vídeo "hoje é dia de Reis", no canal lugastal do youtube entende o sentimento que aqui estou descrevendo).

A partir de março o estúdio lugastal será reaberto, num formato bem diverso e intenso. A casa rosa da Eudoro Berlink receberá novos moradores, novas cores, e, juntamente com o que de melhor já aconteceu por lá, seguirá um novo e mais maduro caminho. No mês em que completarei 46 anos me presenteio com uma maior maturidade pessoal e profissional - conseguir declinar alguns projetos e escolher outros, ter tempo pra visitar meus pais, tomar um cafezinho no meio da tarde no boteco da esquina, compartilhar meus projetos, garimpos, e o que de melhor encontro na estrada, fazer ginástica ou talvez caminhar com o Fred - meu fiel companheiro. O varejo (loja lugastal) será um capítulo a ser lembrado com carinho na minha história profissional, assim como as oficinas de costura diárias; é claro que deixarão saudade – a campainha tocando, as risadas, as peças lindas produzidas pelas alunas no ateliê, a profusão de tecidos colorindo as prateleiras. É claro que eu seguirei lá, no trabalho diário e constante, focada no meu melhor ofício – o olhar criativo, a busca pelo diferente, a conexão com vocês, seja aqui pelo blog, youtube, e demais redes, com mais flexibilidade para viajar, com novidades nas minhas oficinas criativas, workshops e Patch Encontros! Dedicarei mais tempo à loja virtual, com lançamentos bacanas do mercado e, é claro, as coleções de tecidos e garimpos lugastal.


A CASA ROSA  abrirá em ocasiões especiais – sempre previamente informadas. Aos visitantes de outros Estados e cidades, um recado: em passagem por Porto Alegre combinaremos o encontro e horário e o chá estará quentinho para recebê-los. Vai ter cheirinho bom da Olívia Bolos Caseiros, vai ter canetinha hidrocor pra colorir as criações da Ludyx Brinquedos, vai ter aquele mimo/presente/produto lindo/fofo/diferente lugastal! Obviamente vai ter a presença constante das melhores energias que eu tanto gosto e prezo (e já fazem parte da casa), e  terão mais novidades, mas prometo não demorar pra contar!

P.S: ainda antes do carnaval receberei um pequeno grupo de alunas numa versão pocket do Patch Encontro lugastal. Informações sobre projeto/horário/valores escreva para luciana.gastal@terra.com.br

♡ ♡  ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡


Tenho muito a agradecer a quem FEZ e FAZ parte dessa história (ficaria feio e indelicado citar nomes, todos que estão no meu coração  têm minha gratidão); mas há duas pessoas fundamentais que me incentivaram ao fortalecimento pessoal/profissional; que através de seus projetos compartilham muita energia e fomentam muita gente a buscar o que têm de mais verdadeiro: à  bailarina/multitarefas Rafa Cappai e seu curso DecolaLAB e  ao ator/palhaço Márcio Libar e sua oficina A Nobre Arte do Palhaço, carinhosamente chamada #aceitaidiota

#ficaadica:
- O DecolaLAB deve abrir turma em breve, é online e super prático; vc assiste no seu tempo, mas se não estiver a fim de estudar e "se olhar" é melhor nem fazer!

- O workshop A Nobre Arte do Palhaço é uma imersão de final de semana, acontece em Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro. Emoção & pura conexão!



segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

por um mundo mais COLETIVO!


Já dizia o escritor americano Robert Collier  "O sucesso é a soma de pequenos esforços - repetidos o tempo todo". E quando o sucesso é resultado de pequenos esforços COLETIVOS, não é mais bacana ainda!?!?! 

Passei meus quase 15 dias de verdadeiras férias fazendo NADA (ou TUDO o que precisava realmente); se pra mim a palavra DESCANSO tivesse vários sinônimos, seriam eles: Garopaba, ler na rede, olhar para o mar, tomar banho de mar, pular ondas, tomar caldos nas ondas (excelente pra curar qq resquício de sinutite e uruca), sorvete, chimarrão & caipirinha (não necessariamente nessa ordem), não passar lápis nem rimel nos olhos, tampouco corretivo nas olheiras, usar chinelo de dedo AND caminhar pela cidade. E como quem caminha, observa, e quem observa, encontra,  numa manhã nublada encontrei uma esquina prá lá de interessante. Confesso: o que me chamou a atenção foi um sapato com suculentas, e nem foi preciso me aproximar muito pra ver que aquela era uma iniciativa bacanérrima!!! (criativa e inquieta não se controla ao ver os recadinhos  handmade traduzidos em plaquinhas divertidas!!!). 

Não sei exatamente de quem é a iniciativa, conversei rapidamente com uma moradora das redondezas que cuidava de um canteiro, e me explicou que, no verão, o espaço não fica tão bem cuidado porque a maioria dos "cuidadores" (moradores locais) ganham uma grana extra fazendo freelas para os turistas. Mesmo assim, o terreno estava fofo, deu gosto de conhecer!

Acredito cada vez mais em ideias e ações COLETIVAS e nas inúmeras possibilidades de abrangência. E se a máxima "a união faz a força", aqui a união literalmente rende frutos, mais precisamente hortaliças e temperos. Parabéns à desconhecida galera que cuida da HORTA COLETIVA de Garopaba (Santa Catarina), ideia simples, bacana e super simpática!!!


Fred #oreidalugastal  curtiu a proposta super/mega/hiper/coletivamente bacana!!!!


# ficaadica: pra quem se sentir carente, vale encostar uma cadeira de praia e 
improvisar  um "momento divã"!


(dizem por aí  que suculentas se adaptam super bem à ambientes com pouco sol e algum chulé!)


(mas até o recado é fofo, né?!?!?! e eu adoro ferradura pendurada!!!)


Curtiu?!?! Mãos à horta! 

domingo, 15 de janeiro de 2017

Greenery - por um ano mais VERDE!

Este é um post que estava "na fila de espera" há semanas e todos os dias ele assopra no meu ouvido: "ei, Lu, não esqueça de mim!!". Mas aqui está... porque o 2017 será VERDE!


Todo final de ano é a mesma história, eu e toda galera do mundo DIY (faça você mesmo), moda, design, etc esperamos a Pantone anunciar qual será a COR DO ANO! Pra quem já ouviu falar mas não sabe exatamente o que é, a Pantone é uma empresa americana considerada "autoridade em cores", e desde 2000 divulga quais cores influenciarão as próximas criações e coleções, e rapidamente se tornam referência mundial nos mais variados setores. No ano passado, pela primeira vez, a marca escolheu uma dupla para reinar sem limites- rose quartz e blue serenity (escrevi post sobre elas no Casa&Cia - clica AQUI). 

Em meados de setembro do ano passado a  Pantone anunciou o TREND REPORT  antecipadamente, numa paleta bem variada, ensejando criativas e inúmeras composições.  CURIOSIDADE: sabe como funciona o processo de escolha das "cores queridinhas do ano"? Durante as dezenas de desfiles da Semana de Moda de Nova York, são observadas quais as 10 cores predominantes nos looks e cenários - e essas serão as referências da próxima estação! 

Eis o "Fashion Color Report" do verão 2017/2018!!!

(Está na minha WISH LIST/2017: dominar as agulhas de crochê!!!)


Mas voltando ao processo de escolha da cor do ano... como o verde tingiu muitas passarelas nas coleções de verão, o Greenery (Pantone 15-0343) foi eleita THE COLOR OF THE YEAR. Em contraponto ao estressante estilo de vida atual, o verde esperança (que mistura verde musgo e amarelo intenso) chegou numa proposta de revitalizar, refrescar, renovar, e reconectar o mundo à natureza!

No site da Pantone foi explicada a escolha:  “Greenery é a cor dos recomeços. Seu tom cítrico levemente amarelado evoca aqueles primeiros dias da primavera, quando o verde da natureza começa a renascer, restaurar, renovar. Sua associação com folhagens e a exuberância da vida ao ar livre sinalizam ao consumidor o momento de respirar fundo, se oxigenar e revigorar.
Greenery é o tom neutro da natureza. Quanto mais submersas as pessoas estiverem na vida moderna, mais elas sentirão a necessidade de imergir na beleza física do mundo natural. Essa mudança se reflete na proliferação de todas as coisas “Greenery” no nosso dia a dia, do planejamento urbano à arquitetura, passando pelo design e lifestyle. Antes uma constante periférica, a cor está agora sendo puxada para o primeiro plano, se tornando uma matiz onipresente no mundo.”

Que venha o "ano verde", da cor da samambaia, da grama, do suco detox, do limão, do alface,  do abacate, da erva mate e do chimarrão (que faz  meus dias serem mais verdes e animados)!



quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

ano novo, novos caminhos!

Preciso voltar um ano pra começar o post!  Era 17 de dezembro de 2015, e me sentia exausta, totalmente escassa de entusiasmo e energia. Saí tarde do estúdio, faríamos férias coletivas na próxima quinzena e tudo precisava ficar organizado. Ao chegar em casa, fui arrumar a mochila; na madrugada seguinte viajaria com a família para o deserto do Atacama, no Chile. As meninas e o marido tinham tudo organizado, eu sequer pesquisara no amigo google detalhes e dicas para uma viagem de aventura. Enquanto dobrava meia dúzia de peças (sim... não queria excessos!), prometi à mim mesma que não acabaria o ano de 2016 da mesma maneira - escassa de energia e totalmente sem tempo pra mim!

O "retiro familiar" seria o programa ideal para me encontrar com eles (e comigo mesma). Aquele era o limite; meu corpo e minha mente enviavam constantes sinais de que desacelerar era preciso. Foram 10 dias de muita estrada... e, entre longas caminhadas pelos locais mais áridos por onde já estive, buscava incessantemente respostas: afinal, qual é o meu propósito? O que me conecta a um público tão grande e carinhoso? A costura? Projetos criativos? Ações empreendedoras? O varejo de tecidos lindos? Eu mesma??? Ou seria tudo isso, junto e misturado?!

Pelas terras desérticas, entre a diversidade local e tantos detalhes, eu muito pensei, mas nada concluí; era momento de curtir o momento e as surpresas que lugares desconhecidos nos proporcionam. Em áridos cenários, as cores eram sempre presentes, desde a cruz envolta em lãs com pompons nas extremidades (comum nas casas de todos os vilarejos locais) aos balangandãs pomponzísticos pendurados nas orelhas da lhamas soltas pelos campos cor de palha. Sem falar na riqueza do artesanato feito pelos nativos. Quanta energia havia por lá!




Voltei para casa pronta para iniciar o 2016, que, desde cedo, se apresentou mais escasso do que terras por onde andei. Sem nenhuma outra folga ou saldo de férias (quem empreende me compreende!!!), estava de volta à casa rosa com aberturas azuis, cores que escolhi para o mundo lugastal. Não demorou para o ano novo mostrar mudanças (até eu, que adoro mudanças, assustada fiquei!). Enquanto opiniões políticas divergentes geravam as mais variadas agressões, o cenário avisava que o ano seria tenso... e intenso! Para quem tinha um negócio a gerir com recursos limitados, o momento era de total reavaliação; afinal, quais seriam as reais demandas? E assim transcorreu o ano, dia a dia com muito suor, cores e buscas criativas para driblar as dificuldades, que não foram poucas. 

Além de buscar o equilíbrio pessoal X profissional, seguia me questionando: o que me conecta à tantas pessoas de uma forma tão intensa? Entre o vai e vem de semanas difíceis, num país totalmente escasso de boas notícias, não deixar a peteca cair foi tarefa das mais árduas!  Precisei ajuda; muito mais do que entender a vulnerabilidade, era hora de administrar fantasmas, inseguranças e o medo de fracassar. Os meses se passavam  e eu seguia, literalmente, um dia após o outro na gestão do meu negócio;  observando o mercado, e buscando minhas respostas. Seria necessário ajustar tantos movimentos diversos da marca lugastal e optar por alguns - escolhas são sempre difíceis porém necessárias! E como disse o poeta Fernando Pessoa, "navegar é preciso, viver não é preciso".

Saldo positivo de 2016: o ano em que parei para me observar!!! Um ano de perdas e ganhos, no mais literal sentido das palavras;  chorei a partida de dois amigos queridos, e sorri (grata) para outros que se aproximaram.  Se o ano foi escasso de grana, foi abundante em conquistas e descobertas; e eu, aos 45` do segundo tempo do jogo (ou aos 45 anos de idade) me vi criança outra vez - procurando o que deixei pra trás na minha história e na essência do meu trabalho. Ao fim de longos 12 meses e diversos acontecimentos, finalizei 3 projetos importantes aos quais me dediquei no decorrer dessa estrada: lançamento de uma boneca linda,  da nova coleção de tecidos com assinatura lugastal, além da coleção de acessórios, batizada como "movimento espiral lugastal". Os três trabalhos foram frutos dos novos planos da marca, em total alusão aos relacionamentos e acontecimentos, sempre espirais!!! 

Antes que as luzes do ano se apagassem, minha amiga e ex sócia Martinha me surpreendeu com a notícia: seguirá carreira solo. Não terei mais a companhia da parceira do dia-a-dia; mas a decisão estava tomada e não me restou nada além de aceitar e entender que  a vida segue! (à ela sou grata, tivemos 5 anos de trabalho e mútuo respeito).

Mas o que farei na casa rosa de aberturas azuis?!?!?! o que de melhor e mais genuíno me cabe: conectar pessoas, inspirar e contribuir com o mercado artesanal na mais pura essência e identidade lugastal!!  E assim seguirei na estrada! (Aguarde 2017: a casa rosa dará o que falar! Em janeiro estará fechada, uma super/mega promoção de tecidos e produtos será apresentada na loja virtual e em breve contarei mais novidades).


À todos que acompanham meus movimentos circulares e inquietos, minha sincera e constante GRATIDÃO! Em cada ação lugastal há um misto de AMOR, PERSEVERANÇA e CARINHO, e à esse "trio" atribuo as energias que recebo (quem planta, colhe, não é verdade?!). Tenho a  certeza de que seria muito mais cômodo seguir em 2017 com as mesmas ações,  mas é preciso respeitar minha vida, minha família e minhas buscas, entre elas uma maior conexão entre eu - Luciana, a marca lugastal e todos vocês que aqui lêem minhas mais verdadeiras e transparentes palavras!!! Novos caminhos nos esperam!

Vale da Morte - deserto do Atacama - 
essa estrada me mostrou que novas curvas seriam importantes!