quarta-feira, 29 de junho de 2016

Eles estão em toda parte!

Atenção criativos - o pompom chegou pra ficar!

fotos lindas: Danibat (no estúdio lugastal)

Você deve lembrar da avó, tia ou vizinha enrolando pacientemente lã numa circunferência de papelão... pois aquelas bolinhas de lã colorida que faziam pra colocar nos gorros de inverno saíram das nossas lembranças de infância para assumir um super destaque em produções criativas. O mundo artesanal se rendeu à eles, utilizados nas mais variadas opções - de acessórios de moda a decorações bacanas. Pompom é cor, é tendência, e são perfeitos para incrementar projetos craft!

Adeptos de projetos faça você mesmo: na revista Casa&Cia tem post lugastal ensinando a fazer pompons - clica AQUI  - e no perfil do instagram GARIMPOSDALUGASTAL têm várias opções pra vc se inspirar!!!


(projeto lugastal - passo a passo disponível na loja  virtual)


#ficaadica: USE SEM MODERAÇÃO!

terça-feira, 21 de junho de 2016

ARTESANATO COM DESIGN, SIM SENHOR!

Recentemente visitei um bazar do meu bairro, daqueles que reúnem na calçada vários negócios criativos. Conversando com alguns amigos participantes, surgiu a ideia de levar o conceito lugastal para o bazar, e dias depois fiz contato com o telefone informado. Ao relatar meu interesse em participar, 3 perguntinhas básicas e inconsistentes foram feitas: "vc tem página? vc tem perfil no facebook? vc tem fotos do seu trabalho" Afirmei que tinha, e enviaria em seguida por email. Confesso que, com surpresa, uma hora depois recebi a  seguinte resposta da secretária-da-curadoria-do-bazar :  "infelizmente seu produto não se encaixa na proposta da feira: que é design". (que produto?? sequer questionaram o que eu apresentaria!) 

(foto Carlos Sillero)

Salvo eventual motivo pessoal nessa "criteriosa avaliação" e rápida resposta, concluí rapidamente ter me equivocado ao procurar a produtora que organiza o mesmo. Em sua página, entendi que promovem ações que valorizam a criatividade. (????).  Entendo e respeito escolhas e opções, afinal,  vivemos num espaço democrático; mas eu seria injusta com meus princípios e crenças se não expusesse minha opinião (o que fiz), e, como esperado, não houve resposta.  
O blog lugastal é um espaço real e por aqui sempre expus opiniões, erros e acertos do meu handmade business. Por isso julguei importante dividir o fato. Eis parte do email que enviei, apenas retirei a parte inicial, onde me refiro à empresa produtora. 

"(...) Lamentavelmente há um grande engano no pré julgamento de que quem trabalha com artesanato produz peças comuns e desinteressantes. Justamente foi nesse contexto que minha marca tornou-se referência no mercado artesanal nacional,  por fugir sempre do convencional, e  pelo fato de que o planejamento, desenvolvimento e execução de todas as coleções  e ações lugastal são permeadas com inovação e design, numa proposta diferenciada, porém feita a mão (produto artesanal não significa produto com escassez de bom gosto).

Quando participo de eventos ou entrevistas, muitas vezes me qualificam como designer, empresária, crafter,  criativa, bla bla bla. E, apesar de ter um perfil profissional bem diverso e que se encaixa em qq uma dessas descrições, faço questão de dizer que sou artesã.  Trabalho com artesanato, e para a valorização do mesmo, o que já ocorre naturalmente em países onde a cultura se sobrepõe a valores comerciais. 

Há diversos e distintos “braços” ligados à marca lugastal: o  estúdio em Porto Alegre com oficinas de costura criativa, produtos diversos para público final (executados conforme o perfil do público), cursos e oficinas ministrados em várias capitais, palestras e participação como expositora e palestrante/blogueira (acho feias ambas as  palavras - palestrante expõe suas experiências, e blogueira vende suas opniões) e em diversas feiras e eventos, como  Craft Design,  SP Patchwork Design (ambas em SP), Salon Créations & Savoir-faire (promovido pela revista francesa Marie Claire Idées) e outros eventos direcionados à futuros empreendedores criativos, promovidos pelo Sebrae, Elo7, e empresa com ensino criativo à distância Eduk. Tenho canais diretos com artesãos e orgulho em proporcionar um olhar mais atento de cada um deles ao produto que quer apresentar ao mercado. Além dessas experiências rapidamente citadas, cito algumas referências que considero bem bacanas;
- anualmente assino coleções de tecidos de tecidos para o segmento artesanal e têxtil –comercializadas nas melhores lojas de tecidos do país; tecidos usados inclusive em coleções de estilistas e decoradores descolados  (em desenvolvimento de produtos para o segmento criativo há design)
- campanhas lugastal de produtos criativos para a webstore Westwing – design e estilo para casas contemporâneas
- matérias lugastal em diversas revistas do segmento artesanal, três delas em capa de edições da revista Make – arte e design para o bem viver (revista direcionada ao público do mercado criativo artesanal), e outras como Burda, Caderno Donna, revista Casa&Cia.

Tenho o hábito de produzir peças e deixá-las guardadas para o momento exato – o que facilita bastante minha agenda de viagens e eventos. Por isso pensei em participar do Open, pois preparei uma linha de peças bordadas a mão e outras numa técnica que é super tendência nessa temporada pré inverno; Infelizmente bati na porta errada.  De qq forma  agradeço novamente pelo tempo e paciência em “avaliarem” minha  marca, apesar de não enquadrá-la na proposta da feira. "


O tema foi postado nas redes sociais onde participo (facebook e instagram), gerando consequentes opiniões. Embora concorde com algumas e discorde de outras, o que considero importante é a reflexão e o diálogo entre criativos do segmento artesanal. E é a isso que me proponho, valorizar o mercado, produto e segmento criativo e evitar que outros profissionais recebam respostas inconsistentes e preconceituosas como essa.

“o luxo do século 21 é ter um artigo feito à mão, carregado de amor e carinho”

Suzy Menkes -  VOGUE



p.s: o título deste post é uma paródia ao livro "criativo e empreendedor, sim senhor!", autora Rafaela Cappai. 

segunda-feira, 6 de junho de 2016

6 anos e muitos motivos para confraternizar!

9 de junho de 2010 - naquela gelada noite, apertei o botão INICIAR do meu negócio criativo. Entusiasta, tentava convencer a família de que aquilo não era nenhum ato insano. Não nascia apenas um novo espaço; embora eu quisesse (e muito tentasse, em vão)  traduzir, não era apenas um comércio, não era um ateliê de costura. Por muitas vezes busquei a nomenclatura perfeita para o estúdio lugastal, até entender que, para quem frequenta, visita ou acompanha essa história a distância, palavras são dispensáveis - o que vale é a energia, as cores e tudo de bacana que já aconteceu por lá!

Muitos já vieram de longe, outros de perto. Muitos por desejo, outros por curiosidade (alguns apenas por observação). Tenho certeza que vários visitantes levaram consigo o conceito implícito ao negócio lugastal  - a criatividade por trás de cada detalhe, a simplicidade expressa em objetos básicos do dia a dia. Talvez outros não tenham curtido a energia, por motivos que nem procuro saber -  energia e empatia não se discute e ponto final!

A história lugastal sempre foi partilhada aqui no blog, traduzida com sinceridade e emoção, com dores e dificuldades, com alegrias e conquistas. Não sei se seis anos são uma longa história, mas pra mim há uma intensidade muito grande de lembranças e acontecimentos; confiança, conquistas, tombos, encontros, erros, decepções, surpresas gostosas, gente que se foi, gente que veio pra somar, amizades, novas oportunidades, viagens, risadas, formou-se a família lugastal. A casa mudou de número, (ficamos na mesma rua), e entre constantes mudanças, ajustes e decorações, as cores, a criatividade e o perfume seguem presentes e intensos. 

Se vc já nos visitou e voltar algum tempo depois, tenha uma certeza: encontrará sempre alguma mudança, um detalhe diferente! O patchwork tradicional não se adaptou ao nosso conceito e às nossas oficinas; a costura ultrapassou limites tradicionais e sabemos que nosso público busca a tendência. Nossa regra é que, no processo criativo artesanal não há regras! Nossos produtos não se encaixam no tradicional, no esperado - fogem da mesmice mas têm a nossa identidade. E todos são sempre bem vindos, independente do estilo e preferências, até quem quer perder o medo de sentar pela primeira vez diante de uma máquina de costura é bem vindo nessa casa!


6 anos de história, sorrisos e muitos motivos pra confraternizar! 

Nesta quinta-feira, dia 9 de junho, a casa rosa com porta azul  da Eudoro Berlink estará aberta das 14 às 19h pra te receber! Será um dia de criação livre, venha a qq horário e traga o que quiser - um tecido pra fazer algum projeto rápido, um tricô, um crochê, uma receita de bolo, um molde de bolsa pra trocar - ninguém será professora, cada um fará o que quiser! Traga o que quiser, se quiser,  mas venha uma roupa gostosa, tempo pra conversar e se divertir! (a previsão do tempo avisa que fará muito frio durante a semana, portanto, pode vir de pantufas!)

(chá quentinho, as flores na janela e amor nos detalhes sempre têm na casa!)




#ficadica: quem nunca veio pode vir à primeira vez, quem mora perto, quem mora meio distante, venham todos! Tá feito o convite, convida aquela amiga que é envergonhada e não gosta de sair de casa, a sogra ou a vizinha... pode chegar, a cada é sua! 


fotos Danibat