sábado, 15 de outubro de 2016

Ponto I-Cord - o queridinho da vez no tricô

Há algum tempo os tubos de tricô vêm ocupando destaque em variadas propostas de décor+handmade+craftwork. Em meados de abril, usei algumas peças na decoração do espaço lugastal durante o evento Scrap&Patch de Brasília, e observava a curiosidade misturada com surpresa no olhar do público. Em julho repeti a ideia, durante a Mega Artesanal, havia peças tricotadas no colorido "endereço" lugastal  e nesse período o estúdio em Porto Alegre também recebeu novidades tricotadas. Já falei a respeito na coluna lugastal do Casa&Cia -  "Ponto I-Cord no coração dos criativos" (clique AQUI), e a cada dia ele aparece em propostas cada vez mais criativas. Já me aventurei  a usar os tubos que tricotei em acessórios (tiara e colar), e gostei bastante do resultado, inclusive trocando a lã por linha. Já as palavras tricotadas são minunciosamente produzidas pelas mãos da Carolina, e  disponíveis entre os produtos handmade do estúdio lugastal.

Há alguns dias recebi a Renata Maynart, editora da coluna donna da casa (portal clickRBS)  no estúdio lugastal e, literalmente, tricotamos sobre a tendência; falei a ela sobre a inglesa super vanguarda Elizabeth Zimmermann e sua descoberta da "corda idiota". A matéria está na revista Donna de hoje, e tem vídeo explicando como fazer seu tubo de tricô de duas formas: com o acessório para tear circular ou com agulhas de tricô. Pra assistir é só clicar aqui e assistir.

#ficaadica: para principiantes no tricô, no início a técnica parece um pouco chata e demorada,  mas logo logo o ponto estará uniforme  e o trabalho renderá com mais rapidez- entenda isso como garantia de um belo e sincero sorriso!



Coluna Donna da Casa - por Renata Maynart
"A inglesa Elizabeth Zimmermann, falecida em 1999, era fonte de inspiração até mesmo quando assumia um erro. Dama do tricô, nascida na década de 1910, ela reinventou diferentes técnicas, propôs a costura com duas mãos e linhas de cores diferentes e até mesmo a criação de um suéter com agulha angular - o que para as entendedoras garantiu muita praticidade.

Em pleno 2016 mais um "achado" de EZ, como é chamada no mundo das artes manuais, é o queridinho do momento. O i-cord surgiu de um ponto que a inglesa teria errado e, não à toa, ganhou, quando traduzido, a expressão de "corda idiota". Quem não ligou o nome ao visual, o i-cord também é chamado de tricotin ou rabo de gato, em referência ao formato tubular (como uma cauda do bichinho), que vai ganhando o comprimento de uma corda.

- Estive em feiras na Alemanha e na França e percebi que aquelas peças que estavam em evidência nada mais eram do que o ponto rabo de gato que aprendi com a minha avó na infância. No Brasil, com a associação ao clima tropical, as pessoas demoraram um pouco mais para aderir, pois em Estados de temperaturas elevadas têm resistência ao uso da lã. Mas hoje já está com bastante força nos trabalhos de artesanato para decoração e também para acessórios de moda, como colares e enfeites para cabelo - explica a artesã e empresária Lu Gastal.

O formato de tubo permite que seja inserido um arame e, assim, ganha diferentes formas e acabamentos: você pode ter, então, palavras escritas em tricô, um clips estiloso para um mural de recados ou o que mais a criatividade mandar, como uma nuvem para o quarto das crianças. O efeito vai do romântico ao lúdico.

O i-cord pode ser também o toque final em objetos de decoração, como um detalhe que faz a diferença em garrafas e vasos ou como base de luminárias artesanais - e você vê muitas opções por aí em lojas e feirinhas da cidade. 

Como técnica artesanal, não tem regra rígida para usar o i-cord, que pode ser visto personalizado de diferentes formas, cores e texturas dos fios." 

(fotos Danibat)

Quer se aventurar nos entrelaçados do tricotin?
- há duas maneiras de tricotar o i-cord. Uma é com duas agulhas de tricô (Lu Gastal usa a tamanho 4,5). A outra é com um aparelho que imita um pequeno tear de quatro pontos. Como é um utensílio difícil de achar e muitas vezes caro, é possível produzi-lo em casa, com um pedaço de madeira com quatro pregos (todos na mesma extremidade, contornando um furo central, por onde o tubo de lã desce conforme o tricô é feito). Quer ver na prática? Assista o vídeo AQUI
- Dica: quem prefere formas mais largas (como as luminárias da marca Mezcla), tem a opção de fazer com um tear maior, de oito pontos, e lãs mais grossas.

Um comentário:

disse...

Sempre há novidades no artesanato, técnicas que vão e vem, que se transformam, ...
Beijos