domingo, 28 de julho de 2013

#15daLaurinha

Não sei descrever exatamente qual a sensação de ver o tempo passar dessa forma; talvez ele me tenha escapado muito rapidamente; talvez eu tenha aproveitado cada momento, despercebidamente – prefiro pensar na segunda hipótese. O que acontece é fato: quinze anos se passaram, e eu, que não sou a pessoa mais adepta às datas comemorativas, não resisto e divido com a maior alegria que a Laurinha cresceu (literalmente, afinal, filha de girafa, girafinha é, e ela não foge à regra).

Leonina, de personalidade doce e forte, Laurinha chegou há 15 anos, numa madrugada gelada em Pelotas. Sua espera foi cheia de emoções; seis meses de repouso total aliados a uma vontade indescritível de que aquele bebê fosse guerreiro o suficiente pra ficar lá, quietinho, sem sair antes do tempo. Nesse ínterim passaram-se três estações, uma Copa do Mundo,  muitas tardes de programa de culinária/artesanato com Ana Maria Braga.  Família e alguns amigos se revezavam nas orações e no carinho constante. Tempos em que a internet chegava em linha discada (longe da minha cama e do meu sofá!), tempos de muitos bordados em  ponto cruz, tempos de muitos medos e muitas certezas, tempos em que as irmãs traziam de Porto Alegre uma caixinha de dunkin donuts pra aliviar os desejos da grávida; tempos de estudos – escrevi a monografia da minha pós graduação, tempos de muito chimarrão, afinal, os dias tinham de ser ocupados!

Bom mesmo é pensar que a gente supera as dificuldades, que o tempo passa e que posso hoje comemorar essa chegada, que pra mim, foi uma conquista!



Que Deus te abençoe sempre, meu amor – a estrada parece árdua... mas é  deliciosa! 

Foto Glau Macedo - Quitandoca

sexta-feira, 19 de julho de 2013

O essencial é invisível aos olhos

Quem já leu, já leu; quem não leu, conhece a história; quem conhece a história, deve lembrar de alguma parte que emociona. O que aparentemente é mera leitura de misses e crianças, na verdade é uma ótima oportunidade de reflexão sobre as loucuras da vida, a pressa, os valores, os relacionamentos, e por isso, neste 20 de julho, escolhi esse pequeno e querido princepezinho pra ilustrar  o blog. 

Terceira produção literária  mais traduzida no planeta, Le Petit Prince é  uma leitura indicada e absolutamente rápida, pra pessoas que dão valor às pequenas coisas do dia-a-dia, admiram o pôr-do-sol, as coisas simples da vida e gostam de contemplar as estrelas!


"E ela disse, bocejando:
- Ah... eu acabo de despertar! Desculpa, eu ainda estou toda despenteada!
O princepezinho então não pôde conter o seu espanto:
- Como és bonita!
- Não é? respondeu a flor docemente. Nasci ao mesmo tempo que o sol...
O princepezinho percebeu logo que a flor não era modesta. Mas era tão comovente!
- Creio que é hora do almoço. Tu poderias cuidar de mim...
E o principezinho, embaraçado, fora buscar um regador com água fresca, e servira à flor."


"Desenha-me  um carneiro?"



"E voltou, então, à raposa:
- Adeus, disse ele...
- Adeus, disse a raposa.  Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.
- O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.
- Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante.
- Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa... repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.
- Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas."


Na vida a gente pode sonhar e imaginar o que quiser -  desenhar um elefante engolido por uma jibóia, ou, quem sabe, um carneiro; a pedido de alguém ou por nossa vontade própria. O que importa é seguirmos nossos desejos, crenças, nossas convicções, e trilharmos nosso caminho, sozinhos, ou acompanhados de quem nos faz bem! Não sei exatamente se sou responsável por quem cativo, mas sou feliz em viver histórias de amor e amizade sinceras! 

Homenagem lugastal no DIA DO AMIGO!


(Pequeno Príncipe e seus amigos foram produzidos pela artesã Nancy Mincauscaste Mendes)

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Ideias para um estande original

Todo mundo sabe que as surpresas chegam sem avisar, mas quando são decorrentes de um cuidado especial elas têm um gostinho ainda  melhor.  E foi com super alegria que acabei de ler no blog Elo7 - do qual sou colaboradora e admiradora, o post "IDEIAS PARA UM ESTANDE ORIGINAL".  O post traz dicas sobre  novas embalagens, comunicação visual e exposição dos produtos, e foi todinho inspirado no projeto "LANCHONETE LUGASTAL", apresentado no espaço Rita Paiva durante a Mega Artesanal.


A ideia do projeto partiu do nome - montaríamos um espaço intitulado "lanchonete", e nossa meta era encantar nossas clientes com criatividade e originalidade!


A primeira etapa foi uma chegadinha nem tão rápida no delicioso Mercado Público de Porto Alegre (dias antes da tragédia que entristeceu o Rio Grande do Sul - aguardamos com ansiedade a reabertura desse gostoso e democrático espaço). Foi numa loja de embalagens que escolhi vários itens que vemos em lanchonetes "de verdade", e pra fechar o programa com chave de ouro, uma paradinha estratégica na banca 40 pra a tradicional sala de frutas com sorvete.


Com as embalagens, era hora de criar a apresentação dos produtos - suco e bolo de tecido, cupcakes alfineteiros, sachê de chá com amor (botões em formato de coração), mousse de botões (mix de botões coloridos), rocambole de retalhos. 


Produtos já elaborados, chegou a hora de embalar um a um, e preparar os rótulos, afinal... produtos com descrição são sempre bem-vindos, ainda mais sem prazo de validade!!!!!



Pra ler o texto na íntegra, passa no blog Elo7!!! 


quarta-feira, 10 de julho de 2013

Cores no inverno lugastal - parte II

Quem leu o post "cores no inverno lugastal" vai lembrar que, no ano passado, a árvore defronte à loja-agora estúdio lugastal recebeu voltas e mais voltas de lã, e ficou quentinha por várias semanas. O verão chegou, ela respirou, e agora chegou novamente a época de deixá-la gostosa e colorida, ato perfeito para alegrar os cinzentos dias de inverno no sul. 

O projeto de 2013 foi um pouquinho diferente, e passou por várias cidades. Começou em Erechim, quando uma amigona me relembrou os pontos de tricô (eu tricotava muito na época do colégio/universidade, mas há anos não fazia, nem lembrava como colocar pontos na agulha!). Chegando em casa, logo reuni todos os novelos de lã que tinha e calculei mentalmente a quantidade de pontos pra cobrir a árvore "do estúdio lugastal". A escolha de cores foi totalmente aleatória, e por vários dias passei bons momentos tricotando o cartão postal do nosso inverno.

Viajei novamente, e lá se foi a roupa da árvore na mala (sim, tive de despachar a bagagem; seria impossível  e desnecessário explicar ao agende do raio X a necessidade de carregar agulhas longas e pontudas no avião - minhas chances de convencimento eram previamente nulas!!!!). O tricô andou pelo interior paulista, voltou para os pampas, e foi crescendo rapidamente, após dois fins-de-semana de pontos rápidos e  intensos! Num domingo, saindo da igreja, passei com minha mãe pelo estúdio, e ela não demorou pra adivinhar o que lá faríamos naquela manhã gelada de rua quase deserta- medir a roupa na modelo! Lá estava a árvore, aguardando o dia de ficar mais colorida! 

Tricô pronto; era hora de mais uma semana longe de casa - a feira Mega Artesanal chegando e os dias que antecederam eram cinzas e escuros - eu queria vestir a árvore num dia gostoso, com sol, com luz. Assim.. mais uma vez viajei, voltei, e nessa semana finalmente chegou a hora de deixar a rua Eudoro Berlink mais divertida! 

A ideia não foi minha - já vi árvores com tricô em alguns lugares por onde andei, e do site tricô urbano veio a vontade de vestir nossa árvore. Missão cumprida - quarteirão colorido e árvore quentinha. Está lançado o INVERNO LUGASTAL, e dentro do estúdio têm outras surpresas gostosas e quentinhas - mantas, pompons e peças em flanela com detalhes em lã.



eu AMEI!

Ainda teremos surpresas gostosas... aguardando a Leti Matos chegar na capital gaúcha com seus pompons coloridos!

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Bem-vindos à nossa sala!

Quem passou pela Mega Artesanal na última semana, pôde ver de perto; a sala de estar da Casa Mega Artesanal 2013 remeteu os visitantes ao México, país de cores fortes, de festas populares muito alegres, de religiosidade profunda e temperamento quente. Inspiradas nas obras de  Frida Kahlo, o alto astral foi a palavra chave deste cômodo, que dava boas-vindas num mundo colorido, criativo e muito artesanal!

Com quantos nós se costura uma cortina??? 
(calcula aí: pra cada bolinha, 4 nozinhos no fio de naylon, e um dorflex pra aliviar a tensão do antebraço no "day after")

(flores formaram o tapete, produzidas com tiras de seda tingida)




(fiquei totalmente in love!)





Tá bom... esse telefone funciona, quem quiser pode me ligar!!!


Beijos, boa semana!