quarta-feira, 26 de junho de 2013

Suba, pare, sente, mas siga o caminho!


Na "Alinhavos & Gestão"de hoje, falarei sobre dois relatos que recebi semana passada,  de artesãs a beira de um ataque de nervos - desmotivadas, cansadas, desacreditadas com seus pequenos negócios, mais precisamente, com bazares que participaram, para os quais se prepararam com afinco, mas o público e as vendas não responderam à expectativa. Costumo ler duas ou três vezes antes de responder, e muitas vezes, tenho dificuldades em responder, mas aos poucos as palavras surgem com sinceridade e clareza, e  o que mais se espera quando se abre o coração, é receber uma resposta sincera (penso eu). 

O cenário nacional não está fácil - crise política, manifestações justas e vandalismos inexplicáveis; comércio retraído, população preocupada. Os fatos vão se refletindo no dia-a-dia, no que pensamos, em como agimos, e o que posso dizer à minhas duas leitoras que todos os brasileiros vivem essa turbulência com muitos questionamentos e incertezas. Mas não é momento de desanimar, pelo contrário - é preciso batalhar, trabalhar, lutar pelo que se acredita, com determinação. Se as vendas do bazar não foram bacanas, não significa que no próximo não serão. Talvez seja um bom momento para repensar os preços, os produtos oferecidos, aonde investir mais, aonde investir menos. Se o sol não nasceu hoje, amanhã ele poderá chegar com toda aquela luz e energia que a gente adora!


É raro usar aqui no blog fotos que não são minhas, e essa eu encontrei no Pinterest, sem autoria. Mas é perfeita para descrever esse momento. Lembrei da frase do pastor e ativista político Martin Luther King, 

"Suba o primeiro degrau  com fé. Não é necessário que você veja toda a escada. Apenas dê o primeiro passo."

São poucas palavras que se encaixam perfeitamente aos dois textos que recebi - os degraus simbolizam o caminho, que deve ser seguido passo a passo, dia-a-dia, no tempo de cada um de nós. A vida de artesã não está fácil?? Pois tenho certeza que a vida de outros profissionais também não está, dos médicos, dentistas, dos operários da construção civil. O importante é seguir adiante, subir os degraus, um a um. Permitam-me a sugestão... mas se os degraus forem longos para serem percorridos de uma só vez, páre, sente-se pra refletir, pra descansar, pra animar... tome fôlego e suba mais alguns. E a vida continuará no seu ritmo... 

Como esse tapete que ilustra o post, una à sua história pedacinhos, pequenos, diversos, porém constantes - o resultado será, com certeza, motivador!  


domingo, 23 de junho de 2013

Cores e flores no paraíso!

Uma fugida com a família para o paraíso. Parece clichê??? Pois às vezes acontece por aqui, como todas as famílias que fazem aquele programa carro cheio/gato/cachorro/máquina de costura, a gente adora pôr o pé na estrada! E quando a previsão avisa que o tempo poderá virar, cada um "se protege" como pode -  travesseiro, livros, comida e, é claro, costuras e outros projetos craft.

Pois foi o que aconteceu há algumas semanas, no meu último feriado; a saída foi merecida. Choveu, fez frio, fez sol; dias perfeitos para comer, descansar, jogar cartas (e ganhar do marido rsrsrsrsr!), ficar pertinho da lareira, curtir a companhia das "crianças" e, obviamente, um pouquinho de trabalho (eu tentei, mas não resisti!)! 

O post lugastal  dessa quinzena para o bacanérrimo blog MINHA SINGER  tem cores e flores, no paraíso.


O que rolou com longas e coloridas tiras de tecido???  Viés em estampas variadas, algumas garrafas pet, fitas decorativas e flores fofas. 

Passa no blog Minha Singer e confere o post Lu Gastal -  fica a dica pra decorar as festas juninas, julinas, campestres e onde mais tua imaginação permitir!





 p.s:  O paraíso existe, e meu pai tem uma casinha lá!

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Dá pra viajar no tempo!?

(Revista Make - junho 2011) 


Pra mim ele sempre teve cabelos brancos (pelo menos desde que eu lembro), era calmo, porém rígido, e, como boa entendedora, nenhum palavra era necessária – só o olhar já bastava. E a vida andava assim, na linha, e poucas, muito poucas eram as escapadas das tais regras.

A casa do meu avô era distante uns 140km da minha,  meu “mundo de férias”, e continha todas as delícias que fugiam da rotina e das obrigações: lá eu não precisava acordar cedo pra ir ao colégio, passeava-se pela rua sem precisar dizer aonde iria (na cidade tinham apenas duas ruas grandes, com mínimas possibilidades de perigo), e até as obrigações eram leves, porém, explícitas – estar em casa antes do anoitecer, não tomar banho de rio sem avisar a vó (sozinha nuuunca, seria uma espécie de prisão perpétua das férias), e ajudar a vó a secar a louça. Ah... em épocas de primavera, a regra n.4 era varrer a calçada, pois as florzinhas cor de rosa deixavam um tapete lindo, um verdadeiro "convite" pra alguém cair de bunda e quebrar a bacia. Eita vida dura era aquela... acho que por isso as férias eram sempre tão desejadas. Ah... dava também pra levar amigas para a “temporada”, mas a parceira da vez tinha de se enquadrar no esquema da casa.


Já era alfaiate aposentado, e nos meus tempos de criança e adolescente, suas atribuições eram totalmente voltadas à cozinha, jardinagem e tudo o que fosse preciso para manter a estrutura do lar em ordem. A  casa era de amigos; nos encontros tinha música (gaita, violão e violino), cerveja, churrasco ou comida de panela – em noites de festas a gente ficava isenta de secar a louça (também não lembro quem secava, nem quero lembrar!. Um dos programas delícia era subir no sótão,  bisbilhotar todo e qualquer resquício da já aposentada alfaiataria – tudo era tão antigo e ao mesmo tempo tão real, até o manequim deitado num canto com bigode fino que olhava pra gente sem dizer nada. Às vezes dava medo, principalmente à noite, sob a luz fraca suspensa num fio, com um interruptor na própria lâmpada. Nos armários do sótão tinham algumas roupas,um cheiro de guardado que, obviamente não fazia a menor diferença – bom mesmo era provar os ternos (que ele chamava de fatiota) e se preparar para o desfile imaginário.

É claro que os netos reclamavam – secar a louça depois do almoço era uma tarefa "'árdua" e interminável (ele cozinhava, e sujava muiiiitas panelas); não dar uma escapadela sozinha no rio era um sacrifício (imagina o perigo!!!) e a gente achava ruim que seu tempero preferido era ... o alho! Ahhh o que os anos não fazem, quem me dera eu ter ele pra abraçar bem pertinho de mim, sem reclamar do cheiro de alho (os jovens não perdoam... vamos combinar!)
  
Às vezes me pego olhando pro balcão que habitou por anos a Alfaiataria Rodolfo Neumann, na pequena Sinimbú, por anos em que eu ainda nem existia – depois fez parte do meu mundo imaginário, e hoje decora (e atende muitíssimo bem) o estúdio lugastal. Que vontade eu tenho de voltar num tempo, mesmo sabendo que é impossível; que desejo eu sinto de poder contar ao vô que hoje vivo entre tecidos (um pouco mais coloridos do que os sóbrios tons de preto/cinza/marinho que ele trabalhava) tesouras e costuras. O tempo não volta, mas viajar e imaginar é livre e faz bem, ok?!


segunda-feira, 17 de junho de 2013

Detalhes que fazem a diferença


Boa pedida pra começar a semana é refletir sobre nossos negócios criativos. Independente do tamanho, seja pequeno, médio ou grande, é importante sempre observar o que pode ser feito, ou, de que forma posso realizar minha atividade visando um melhor resultado. Nesse sentido, não basta ter apenas um produto bem bonito e bem acabado - o resultado em questão é um contexto: produto, atendimento, satisfação do cliente. 

Quem trabalha com criatividade não pode se acomodar quando o assunto é ENCANTAR!. Seduzir, cativar, fascinar o teu cliente; pode parecer difícil, mas há infinitas ações e possibilidades pra se alcançar os objetivos. De pequenos e sutis detalhes são decorrentes os resultados, e tu vais perceber isso com nitidez, após investimentos de trabalho/atitudes que comporão muitíssimo bem com o teu produto. 

A dica é válida para artesãos -que vendem seus produtos em feiras, bazares e lojinhas virtuais e para empresários -que recebem seu cliente em estabelecimento comercial com ponto fixo e também virtualmente; em ambos os casos, o cliente tem que vir até nós, portanto, a concorrência é grande. O que importa é que cada ação previamente pensada e planejada fará a diferença; o consumidor final perceberá o carinho, o cuidado, e esse encantamento refletirá, automaticamente, em números melhores. 

Há algumas semanas recebi um email de uma artesã perguntando como incrementar suas vendas virtuais, e prontamente a respondi: eu não tenho a receita do bolo; também passo por dificuldades e me vejo em constante reflexão sobre o meu negócio. Portanto, a reflexão é, sem dúvida, um dos exercícios que considero  mais importantes da vida empreendedora.

Se a estrada te parecer difícil e árida, não desanima - há muita gente que, com pouquíssimos recursos financeiros e muita criatividade tem conseguido driblar a concorrência e encantar seu cliente final! 

segunda-feira, 10 de junho de 2013

lugastal 3 anos - carinho é o melhor presente!



Se comemorar aniversário é sempre bom, festejar datas especiais decorrentes de trabalho e amor é melhor ainda! O domingo amanheceu frio e ensolarado em Erechim, cidade do noroeste gaúcho, onde participava da Mostra de Patchwork (obrigada a todas as pessoas que tão bem nos receberam lá!), e, apesar da distância de casa, trabalhei feliz, e, sobretudo, orgulhosa pela data!

Segundo pesquisa do Sebrae, 50% das empresas fecham suas portas antes de completarem 2 anos. Informação que assusta, preocupa, mas não surpreende - empreender no Brasil, com a alta carga tributária imposta já é o grande e primeiro obstáculo. Quando abri a lugastal, em meados de 2010, havia inúmeras dúvidas misturadas à expectativa de dar certo, juntamente com a certeza de que nenhum caminho é fácil, tampouco tranquilo. Não foram poucos dias em que parei pra refletir sobre as escolhas, sobre possíveis possibilidades, caso eu tivesse trilhado outro caminho - aliás, a reflexão é constante na minha vida, penso que seja um ato de crescimento, ou, no mínimo, de tentativas. Mas no meu dicionário não consta a palavra DESISTIR -  sou persistente, e o trabalho não me assusta! Também não conjugo o verbo ACOMODAR-SE, e, por ter personalidade altamente inquieta, meus dias são sempre intensos - uns melhores, outros piores, é claro (que disser que a vida é repleta de apenas bons momentos vive num mundo diferente do meu!).

Assim já se passaram mais de 1000 dias entre cores, entre buscas, entre escolhas, entre erros, acertos, encontros, amigos, entre conquistas e decepções. Sou muito criticada (aliás, eu realmente não entendo por quê existem pessoas que, mesmo não gostando - ou não tolerando meu trabalho, insistem em, diariamente, ler-bisbilhotar-acompanhar os passos do meu negócio!!!), e penso que as críticas são inerentes à quem se expõem, a quem ousa, a quem tenta e vai atrás dos seus desafios! Nessa trajetória já foram publicadas mais de 500 postagens, que acumulam quase 2 milhões de acessos no blog lugastal - e não há números que possam mensurar o carinho que recebo nos lugares por onde vou (e não são poucos... rsrsrsrs... quem me conhece e acompanha bem sabe), inclusive onde ainda não tive o prazer de estar fisicamente, mas onde posso estar com o coração.

Ao lançar a promoção CONTE SUA HISTÓRIA, realmente não pude precisar quantos relatos bacanas e emocionantes chegariam na caixa postal, e diariamente chegaram histórias reais, repletas de sentimentos, inspiradas na trajetória lugastal, tampouco pude imaginar que participo indiretamente de tantos momentos importantes de pessoas que, às vezes, nem conheço pessoalmente (sim, esse carinho é um privilégio!). Durante esses dias chegaram histórias de vida, de superação, de conquistas de quem busca, de quem tenta, de quem cai, seca as lágrimas e levanta pra seguir o caminho... histórias de quem se mostra, e não se acomoda atrás de um computador vendo a vida (alheia) passar. Emoção pura!!! Fazer parte da história de quem tenta, que empreende, que sonha e acreidta é verdadeiramente um privilégio, e quem me acompanha sabe que a transparência é um dos fatores mais importantes do negócio lugastal. No mundo empreendedor, por menor que seja o seu, ou o meu negócio, independente do segmento ou tamanho,  não existe receita para o sucesso (qualquer tentativa não passa de blá blá blá ou tentativa infrutífera de auto-promoção), mas trabalho sério aliado à ética são sempre indicadores importantes. Aliás, fica a dica a quem quiser empreender e buscar bons resultados - comece lendo Peter Drucker, o guru da gestão. 

A seguir, alguns (só alguns) trechos de histórias recebidas... é árdua a tarefa de escolher apenas duas, do total de 53 relatos tão bacanas - mas tenham a certeza de que o meu presente de aniversário foi receber o carinho de cada uma de vocês - e essa arte feita especialmente para comemorar nosso aniversário traduz um pouquinho desse carinho que a mim chegou com as histórias de vcs! MUITO OBRIGADA!!!!!


... Já conhecia o Trabalho Lu Gastal, visitava o blog, até que em umas férias de julho visitei Porto alegre e na listinha da viagem não podia faltar: loja lu gastal. Ver de perto o trabalho admirado de longe. Viagem em família, carreguei todos para esse tópico inquestionável da visita à terra gaúcha. Passamos um bom tempo ali, dentro daquele cantinho tão Lu Gastal.

... Mas eu queria aprender mais, então pesquisei na internet sites que falavam de costuras, inspirações, ideias, materiais e o resultado foi LUGASTAL, NOSSAAAnão poderia ser melhor

... O que equilibra minha alma é costurar, como num sonho tudo toma forma e o colorido faz sentido.

... Ao contrário do que pode parecer, a Lu Gastal não entrou na minha vida por conta da criatividade, do patchwork moderninho e nem por ser referência em produtos feitos a mão. Meu primeiro contato com esse mundo lindo aconteceu em maio de 2010, nos posts sobre a reforma da charmosa casinha da EudoroBerlink: a limpeza da banheira feita por Luisa, a forração das famosas letras que formavam o nome Lu Gastal na parede turquesa atrás do balcão, os tecidos, o cantinho de costura... E pensar que cheguei lá porque me apaixonei pela decoração desse espaço craft de Porto Alegre. Pela de-co-ra-ção, meu Deus! Eu estava reformando minha casinha nessa mesma época (e várias fotinhos foram salvas, para servirem de inspiração)

... e a culpada de tudo isso é a Lu Gastal, que me ensinou, mesmo sem saber, a chegar ao resultado perfeito da sua equação: inspiração + emoção + criatividade + sorrisos + experiências + sentimentos = alegria em fazer o que a gente mais gosta, com carinho e dedicação.

... Mas nem sempre foi um mar de rosas, épocas que quase não havia encomendas, dúvidas se aquela cliente gostou do que comprou, se ia voltar, se realmente todo o trabalho ia continuar, se ia chegar uma hora que as pessoas preferissem as peças industriais...foram muitos SE mas NÃO desisti!  Muitas vezes eu recorri ao seu blog e ao “Alinhavos e gestão” com muitas dicas da Tia Linha. Acompanhei quando você montou sua loja e já li seu blog várias vezes  e ficava imaginando se um dia conseguiria montar a minha....Sentia que cada conquista sua era um incentivo pra mim!! Era como “Vai!! Continua!! Vai dar certo!!    E eu continuei!! 

... Só há duas coisas impossíveis para o ser humano, aquilo que ele não sabe ou o que não quer aprender.

... Passei a admirá-la e respeitá-la, afinal toda jornada tem acertos e erros e expô-los assim é uma questão de coragem. Pensar que ela começou com frutas e legumes feitos em tecidos e hoje está pelo Brasil levando sua equipe para ensinar e trocar experiências é muito estimulante! Seu blog influenciou e ainda influencia meu modo de ver este mundo craft como também o meu trabalho, me apresentou alguns caminhos (talvez ela nem saiba o quanto)...

...Quem faz artesanato,procura sempre inspirações,tendencias e novidades.O blog da Lu Gastal,foi um dos que mais me identifiquei.O que me encantou em suas publicações,foi a sua espontaneidade.Sim,sempre foi nítido,o prazer em que compartilhava o seu dia a dia,suas alegrias,tristezas,prazeres,angustias e sucesso.Mostrando o que realmente acontece com um empreendedor,da maneira mais simples e informativa...

...Em 2013, decidi e sozinha montei meu Blog, que eu mesma organizo, nada profissional, mas o começo e desta maneira posso acompanhar outros trabalhos, e mostrar um pouco de mim, com segurança, ainda não tenho lucro, mas já consigo vender alguns trabalhos, o que me orgulha muito e venho aprendendo a cada dia com o que você divide com todos. E o mais grandioso é sentir que mesmo tão distante você através do seu trabalho e de suas palavras, pode estar tão próxima, e conseguir transmitir que mesmo tendo o trabalho árduo, os fins de semana trabalhados, as renúncias e pouco recurso, dá resultados e eu venho aprendendo a acreditar, sonhar e trabalhar!




P.S.
As duas participantes que ganharão os presentes de aniversário lugastal terão suas histórias divulgadas aqui no blog, amanhã, dia 11 de junho.