quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Alinhavos & Gestão convida!

Essa é pra quem trabalha com amor, empreende, batalha, supera, faz rotina e não se entrega diante da primeira dificuldade. Se tu te encaixa em alguma dessas qualidades, escreve para luciana.gastal@terra.com.br e conta a tua  história empreendedora (as histórias recebidas serão postadas conforme disponibilidade de tempo/espaço no blog). 

Na coluna Alinhavos&Gestão de hoje, é a vez da Mari Salles dividir  sua trajetória e dia-a-dia! 


"Oi gente! Meu nome é Mari e vim na "casa da Lu" falar um pouquinho da paixão pelo meu negócio Craft.

Vamos começar do começo: eu sou contadora de formação. Saí do colegial e logo em seguida já estava matriculada e cursando Ciências Contábeis. Eu já trabalhava na área, então parecia aos 17 anos, que seria uma profissão confortável e estável e me parecia OK. Realmente foi muito bom. Trabalhei 10 anos como contadora, e foram anos de muito aprendizado e muitas realizações também. 
Quando eu comecei a organizar meu casamento, lá em 2009/2010, eu já tinha voltado a costurar só por prazer mesmo, já que desde pequena minha avó já tinha me ensinado o amor pelos tecidos, linhas, agulhas. E durante os preparativos do casamento, eu comecei a costurar de tudo um pouco para usar no meu Grande Dia. Fiz almofadas que foram usadas na decoração, fiz minhas lembrancinhas com todo carinho, e presentes para minhas madrinhas e até meu topo de bolo de passarinhos. Mas até aí, a costura era mesmo só um passa tempo. 
Depois do casamento, a vida real bateu na minha porta. Contas pra pagar, vida nova, trabalho, casa nova. No meio de um monte de coisas que estavam acontecendo comigo naquela época, em 2011, conheci pessoas que me ajudaram a mudar o rumo da minha vida. Algumas meninas também apaixonadas por casamento, me incentivaram a tentar uma lojinha on-line para eu vender as peças que eu tinha feito para meu casamento. Abri minha loja on-line com 3 produtos em junho de 2011. 
De lá pra cá, a lojinha se tornou o centro do meu mundo. Trabalhei o 1º ano da loja, para ver o que ia dar, e qualquer coisa que acontecesse, seria lucro. Era uma aposta mesmo para ver se dava certo. E os pedidos começaram a surgir, começaram a aumentar e eu comecei a trabalhar 13, 14 h por dia. Primeiro no escritório, depois no ateliê. 
Chegou uma hora, que eu já não aguentava mais essa vida dupla, e uma decisão precisava ser tomada: ficar no escritório, trabalhando em um emprego mais estável financeiramente, mas onde eu sentia que não era mais meu lugar, ou arriscar tudo e ficar só com a minha loja, com esse amor que apareceu na minha vida. Nem preciso contar qual dos dois eu escolhi né?! rs 
Para deixar meu emprego, precisei sim contar muito com a ajuda do meu marido. Apoio e sustentação nunca faltaram dele pra mim. Mas é preciso se planejar sim! Se você tem compromissos financeiros assumidos, como vai simplesmente deixar tudo e ver no que dá?! As chances de dar errado acabam sendo bem maiores. Eu me planejei, guardamos um dinheiro para os primeiros meses da loja, ficamos acho que uns 4 meses planejando minha saída do trabalho. 
Nesse meio tempo, quando eu já sabia que iria sair do trabalho mas ainda não tinha saído, investi no ateliê. Comprei mais uma máquina de costura, dei uma reformada no espaço, fiz cursos de costura, fiz projeções do que eu gostaria de fazer além da costura e investi em estoque de materiais. Foi ótimo ter feito isso, pois me deu um fôlego para o 1º mês, que estava mais fraco, assim que fiquei só com a loja. 
Não me arrependo de nada. Nada mesmo! Nem de ter trabalhado 10 anos como contadora, nem de ter deixado meu trabalho. 
Hoje a rotina no ateliê é ótima. Eu tento me organizar o máximo possível para atender todas as clientes e suas necessidades, nunca deixando de lado a identidade do meu trabalho. Acho que a gente que é craft, tem que se manter fiel ao que acredita e no trabalho que desenvolve. Eu não produzo cópias. Se eu não acreditar no potencial da minha criatividade, quem vai? 
Acho que uma dificuldade que todas nós encontramos é nossa compulsão por materiais novos. Gente, eu sou a louca das tesouras, tecidos e afins. Se não tiver um pouco de planejamento, acabamos gastando todo nosso lucro do mês nessas coisas. É dificil trabalhar sem ter certeza de quanto você vai ganhar no final do mês. Essa parte, tenho certeza, deixa todo mundo mais apreensivo. E aqui em casa, meu marido me dá suporte, claro! Mas o que eu ganho na loja é necessário para ajudar nas contas da casa. Então, a coisa tem que deixar de ser um passatempo para virar um negócio. Um negócio craft cheio de amor.
 É preciso encarar o trabalho em casa, como o trabalho fora. Dividir seu tempo, acordar cedo. Começar a trabalhar sempre no mesmo horário. No caso de quem vende on-line e tem blog, como eu, tem que encaixar um horário certo pra responder e-mails, cuidar do blog e da loja. Tem que ter rotina mesmo. Se não, a gente se perde. 
Durante esses 2 anos, posso dizer que a coisa mais importante que aconteceu para mim foi me sentir livre e realizada. Eu sinto que com a loja, encontrei meu lugar no mundo. É trabalhando assim, para noivas, mães, madrinhas e gente que ama tudo que é feito com amor que eu sou feliz. Todas as outras coisas se tornam menores do que isso. 
E posso dizer uma coisa?! Trabalhar com coração compensa.
Então é isso! Espero que tenham gostado! "
Um beijão
  
Mari Salles




4 comentários:

Cris Lourenço disse...

Mari...que luz ler suas palavras!Olha
só...chega uma hora que a gente precisa decidir "se casa ou compra uma bicicleta"...rsrsrsrs to nesse impasse a algum tempo. Lendo seu texto pude ver que nem tudo são flores...mas trabalhar com o coração vale a pena...fico muito feliz por vc, que nem conheço,mas ja gostei de cara!Na verdade como vamos saber o resultado se nunca tentarmos??? (to escrevendo pra mim mesmo!) Ai! e que venha a primavera com suas flores, seus cheiros e suas core...estacão nova e vida nova também! Bjs no coração...Vou visitar sua pagina.

luciana garcia disse...

super legal ver a experiência de outras pessoas, sempre nos dá força, idéias... Lu, obrigada!!!
Mari amei sua história e te desejo cada dia mais sucesso!!!
é muito bom trabalhar no que se acredita, no que se ama
bj

Kézya disse...

Nossa me identifiquei! rsrs Sempre tive vontade de trabalhar com tecidos (bordo ponto cruz desde criança, mas costurar mesmo.... outra história) e há um ano arrisquei, sem saber costurar, nem mesmo passar a linha na máquina, meti a cara e comprei uma linda e maravilhosa máquina de costura. Eu já sabia que linha de produtos queria produzir e fui aprendendo sozinha a fazer o que eu queria, uma dica aqui, outra ali, e muitos, muitos vídeos tutoriais... hj já me sinto mais segura com as costurinhas. Porém, sou administradora e trabalho como gerente em uma salgaderia, e hj, exatamente hj, terminam minhas férias... mas quem disse que quero voltar? Quero mesmo é me enterrar nas costuras... O que produzo vendo, nada on-line ainda, mas o povo vê e não dá nem tempo de esquentar no estoque... A Mari me inspirou a me organizar e programar a minha saída... obrigada querida! Ah... e sua loja é linda, vc nasceu pra isso mesmo! Beijos@

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.