sexta-feira, 30 de novembro de 2012

NATAL DA COSTURA lugastal

O Natal lugastal 2012  não poderia ter outro tema! No ano extremamente positivo, onde tive o prazer de dividir com mais de 900 pessoas o projeto PATCH ENCONTRO lugastal, com o apoio de parceiros incríveis e a adesão maravilhosa de todas vocês... no ano em que cheguei em casas de todo país, e fora dele, através do youtube - através do programa Tudo Artesanal. No ano em que importantes projetos e ideias alinhavados com tanto amor puderam ser unidos e costurados, concretizando a linha de tecidos lugastal para Fernando Maluhy. No ano em que pude viajar muito e ir ao encontro de vocês, nos diversos eventos craft do país. No ano em que pude partilhar intensamente experiências, ideias, reflexões e pensamentos aqui no blog. No ano em que a saúde e bom senso me permitiram driblar atitudes desprovidas de ética.  No ano em que todas as dificuldades puderam ser contornadas com muito trabalho e apoios incondicionais - profissionais,  pessoais, e, sobretudo, familiares!

A decoração traduz um pouco dessa atmosfera, com simplicidade, cores, e muita criatividade! Foi idealizada com vários itens que fazem parte desse cotidiano - linhas, botões, alfinetes, fitas métricas, tesouras. Cada detalhe tem um significado, e todos envolvem relacionamentos -  transparentes, imensuráveis e absolutamente importante em nossas vidas!!!

Com todo o meu amor... pra vocês!!!!




















quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Bailarinas lindas e seus tutus maravilhosos!

Se tem um assunto que me desarma é o tema ballet. Não me considero uma pessoa mal resolvida,  pelo contrário -  tive uma infância normal, divertida, gostosa; brincava na rua como todas as crianças da minha época, voltava pra casa diariamente na hora do sinal, antes de anoitecer. Morava numa cidade pequena, onde todos (ou quase todos) se conheciam, estudei no mesmo colégio anos a fio... e a maioria, ou quase totalidade das meninas estudava ballet. Menos eu, e outras raras exceções! Tá certo, se houvesse tradução para a antítese da bailarina, essa seria eu - no quesito delicadeza sempre passei longe, mesmo que involuntariamente.  Numa época em que o par romântico da novela era o Tony Ramos (obviamente jovenzinho) e suspirava apaixonado pela Elizabeth Savalah, que era... bailarina - era a própria referência (pronto, entreguei que realmente sou das antigas!!!!) 

Quando a professora questionava o que cada aluno queria ser quando crescer, 9 entre 10 meninos imediatamente respondiam  jogador de futebol, e as meninas, obviamente, aspiravam ser bailarinas. Menos eu, e talvez mais uma ou duas da turma - ai que raiva!!!! Mas pelo menos isso é uma prova de que o bom senso me acompanha desde pequena - tenho certeza que nenhuma das minhas colegas seguiram carreiras profissionais a passos leves e saltitantes sob o som de música clássica!!!!! A mais pura realidade é a seguinte -  naquela época minhas pernas excessivamente compridas e magrelas jamais conseguiriam executar com graça e harmonia um simples demi-plié. Eu poderia exercer qualquer outra atividade física sem dificuldades, mas o ballet realmente nunca foi a minha praia, e assim aprendi a me sentir uma menina absolutamente normal, e ouso dizer... amparada nos versos do mestre Chico Buarque de Holanda -em Ciranda da Bailarina.

Mas chega de blá blá blá -  já adulta venci minhas pseudo-traumas-de-nunca-ter-usado-um-tutu-bem-fru-fru-zen-to a cada apresentação na escola das meninas, e quando as arrumava com aquelas saias de tule engomado meu sorriso escapava involuntária e descontroladamente! Além de gracinhas, elas ficaram LINDAS (mãe é um ser irracional ridículo em qualquer lugar, essa é a verdade!).

E agora, que também as crianças (já pré adolescentes) não usam mais tutu, é hora de me deliciar produzindo e vestindo as Tildas bailarinas,  publicadas no livro Vintereventyr da designer de bonecas Tone Finnanger.


O livro é lindo - têm bailarinas, mini bailarinas, a protagonista da história A princesa e a ervilha; tem soldadinho de chumbo, pinóquio e outras novidades lindas e super delicadas! Gamou? Eu também!!! .

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Bolsa nova no blog MINHA SINGER

Sabe aquele jeans que a gente ama mas que sim-ples-men-te-não-dá-mais???

No meu caso, esse aqui já estava condenado, tanto em casa quanto no trabalho... ganhei até um jeans novo da irmã, na promessa de que eu não usaria mais o velho - promessa não cumprida, confesso! Simplesmente não havia mais argumentos suficientes para usá-lo sem causar manifestações contrárias, ele realmente já tinha dado tudo a que se propusera!

Eis que surge o convite para escrever no blog MINHA SINGER, cujo tema seria... old jeans new bag!!! Perfeito momento, aliás, o mais adequado para que eu parasse de vestir de uma vez por todas o meu querido jeans -  tão surrado, mas tão surrado, que é melhor nem mais comentar!



Agora ele seguirá comigo, mas customizado com o acessório queridíssimo de 9 entre 10 crafters - o fecho da vovó! Tá a fim da dica??? Passa no blog MINHA SINGER - detalhes, fotos, passo-a-passo todinho pra vocês!!!



domingo, 18 de novembro de 2012

Eu, meu silêncio e minha saudade!


Solidão e silêncio – existe equação melhor? Sometimes... mas não sempre!
Têm momentos em que estar sozinha é muito bom... salutar, eu diria! Ouvir o silêncio, reorganizar ideias, recolocar planos em seus devidos lugares, pensar projetos profissionais futuros. A perfeita equação conta, ainda, com telefone silencioso e tempo disponível. Vivo uma fase bastante reflexiva, ou, talvez melhor dizendo, pensativa. Nada de julgamentos, decisões importantes ou qualquer outro ato drástico de vida... apenas a absoluta e simples vontade de parar, fazer nada, pensar... em tudo, ou em nada – com aquela certeza tudo de bom de que há muito amor me esperando em determinado lugar – mais precisamente, aonde estão quem me apoia e me ama incondicionalmente – atire a primeira pedra quem não gosta de se sentir amado!!! Querer estar sozinha não significa reclamar de situações existentes, tampouco manifestar-se contra algo... é apenas um pedido do corpo e da mente, e por quê não obedecer?

Aproveito para linkar o assunto ao post do blog Elo7 da última semana, quando comentei que, às vezes, precisamos nos permitir um tempo em determinados momentos, sem cobranças, sem horário, sem apertos; respeitar os momentos de lacuna na criação, ou, por quê não afirmar, de produção. 

Mas... voltando ao tema do post! Estaria eu em busca de minutos sabáticos??? sem família – que eu tanto amo, o trabalho (idem) ou outros compromissos importantes me chamando?  Pode ser que sim, pode ser que não... pode ser apenas que precisava me cuidar, me permitir. Pois bem, a família viajou e cá fiquei – depois de muitos dias longe do trabalho não poderia me permitir um feriadão prolongado. A casa vazia se tornou estranha, porém sempre aconchegante; a ausência dos barulhos se apresentou de forma diferente aos ouvidos, mas bem que acalentou a alma em busca de um sossego, mesmo que temporário. Bem... mas situações adversas à minha vontade atrapalharam o meu “momento só meu”; o coração disparou, a sensação de desproteção se intensificou, a tão esperada solidão se transformou numa lacuna imensa; a saudade de quem faz parte do meu dia-a-dia tomou uma proporção gigante. Nessas horas, não tem como ser mãe/mulher moderna, no estilo "eu me basto" -  bom mesmo é correr pra perto de quem nos faz bem! Mas nada de dramas ou desesperos – para quase tudo há solução, e não seria diferente no meu caso. Nada que um “pé na estrada” não resolva, e em menos de duas horas depois não tenha se solucionado - viajar em boa companhia, música gostosa e mate quente é sempre um programa bacana!




Amor, carinho, abraços sem nada pedir em troca, sorrisos sem motivo... são, sem dúvida, perfeitos para renovar sentimentos e recomeçar a semana com intensidade!




terça-feira, 13 de novembro de 2012

Prêmio Sebrae Mulher de Negócios 2012


Esse post é pra quem empreende, tenta, cai, sacode a poeira, levanta e segue em frente! Pra quem sonha, acredita, e não tem vergonha de se expor. Com muito orgulho divido a história da lugastal, selecionada entre 406 relatos de mulheres gaúchas empreendedoras - no Brasil foram inscritas em 2012 mais de 5400 empreendedoras de pequenas e micro empresas.

Ficar entre  3 finalistas do Prêmio Mulher Sebrae - Pequenos Negócios não é um presente, mas uma conquista, da qual muito me orgulho! Valeu equipe lugastal, sozinha eu não estaria aqui! uhu!



Acreditar – essa foi a palavra-chave na aliança entre motivação e coragem para empreender;  essencial para quebrar paradigmas e ousar no antigo sonho; por vários anos dividi atividades jurídicas com artesanato informal  (o coração batia mais forte pela segunda opção). Em 2012 cheguei de mala, cuia e família em Porto Alegre, cidade que pouco conhecia. Entre várias dificuldades, filhas adaptadas na escola e casa arrumada, era hora de cuidar do trabalho – eis a dúvida - voltar à advocacia ou pôr em prática os ensaios empreendedores. O medo e a ansiedade eram proporcionais à expectativa (teria eu condições de empreender?). Acreditar que SIM e persistir foram fatores decisivos!
Foi momento de planejar, buscar inspirações, criar o meu negócio inovador – aspirava algo diferente, que fugisse do comum. Hora de estudar o mercado, analisar concorrentes, traçar planos, trabalhar com afinco. Assim nasceu a loja lugastal, num pequeno sobrado de bairro, no intuito de encantar com simplicidade e criatividade! Não é apenas uma loja de tecidos, tampouco um ateliê de costura, mas um espaço que reúne design, criações artesanais, matéria prima, presentes, cursos de capacitação, deslumbramento, brilho no olhar.
É claro que as dificuldades são inerentes a qualquer escolha - o controle do tempo foi meu maior apuro como “mulher/empreendedora” e sua jornada dupla; para o negócio prosperar, são necessárias muitas horas extras de dedicação. Família e outras atividades que requerem atenção diária são, inegavelmente, obstáculos tão importantes quanto aqueles inerentes ao dia-a-dia do negócio. Mas desde o início, “não dar certo” foge  da minha cartilha, e me motiva cada vez mais – o sorriso no rosto é proporcional às dificuldades!
Após completar o árduo primeiro ano, a necessidade de organizar os processos fez-se urgente – vivia a sensação de que as horas/dia eram insuficientes. Foi preciso alinhavar rotinas, para depois costurá-las ao dia-a-dia. Momento de estudar e entender a palavrinha tão comentada – gestão; quase uma “terapia profissional” – o que demanda tempo e energia para discussão da relação do negócio em mínimos detalhes. Porém, a contrapartida é super animadora, benefícios são visíveis com o passar das semanas.
O primeiro alinhavo foi formular nossa missão: despertar emoções através da arte criativa e ideias inovadoras. Logo foi hora de “alfinetar” os valores do negócio: inovação, criatividade, encantamento, atender com carinho, trabalhar com amor, ética, respeito. “Costurá-los” à rotina e ações do negócio foi o próximo passo. Ao analisar problemas e fatos há um amadurecimento visível; dificuldades são constantemente discutidas e essa maturidade é fundamental ao crescimento - através de erros básicos conseguimos pensar situações distintas. Estudar e avaliar resultados gera inquietação e afasta sentimentos de comodidade, auxiliando no planejamento de próximas ações. O estabelecimento de metas facilita a realização das atividades e auxilia a trabalhar com determinação, mas essa ação só chegou na lugastal em 2012. Pensar a visão é desafiante ao crescimento – expandir a marca lugastal tornando-a referência no mercado criativo artesanal.
As lacunas na gestão ainda são grandes; embora o planejamento das atividades seja detalhado, assim como o controle e posteriores execuções, há pouco iniciamos a rotina de analisar custos/estudo de números – como numa caixa de costuras, é imprescindível o uso da fita métrica em cada resultado!
A marca lugastal extrapola limites físicos da loja gaúcha; com a internet atinge-se lugares distantes – temos 18500 contatos diretos, entre clientes e seguidores em redes sociais (blog, facebook), o que estreita relacionamentos e proporciona divulgação com baixo custo. Para a colheita desses frutos, importante o cuidado e dedicação intensos (frequência de postagens, fotos de qualidade, etc), e os mais de 60.000 acessos/mês ao blog  decorrem da preocupação em encantar e incentivar a criação de novos negócios no  mundo artesanal. Na coluna “Alinhavos & Gestão” do blog lugastal, partilho com artesãs e futuras empreendedoras dificuldades e aprendizados do negócio; em textos de fácil linguagem, problemas são relatados de naturalmente e sugestões/feedbacks de leitores geram uma interatividade bacana e próspera. Hoje assino mensalmente colunas sobre gestão de pequenos negócios em dois sites de artesanato/empreendedorismo (Elo7 e Vila Mulher-Portal Terra), e integro a equipe de apresentadores do programa “Tudo Artesanal”, veiculado em rede nacional, onde ensino técnicas e dicas de costura e empreendedorismo. A aproximação do público é uma ação que agrega excelentes ideias e expande negócios.
Para apresentação de produtos a outros mercados (varejo e atacado) há participação intensa em feiras estrategicamente escolhidas (47 lojas de artesanato/decoração trabalham com produtos lugastal, atentos à nossa preocupação com produtos criativos e sustentáveis - todas as sobras de produção são reutilizadas). Para solidificar a marca em âmbito nacional, neste ano foram lançados no mercado têxtil 29 estampas lugastal, produzidos pela empresa líder do segmento e distribuídos em lojas de patchwork do país. Outros produtos têm sido produzidos em parceria com grandes empresas, como linha de bijuterias alusivas à costura, que respondem por 25% da  receita total de vendas.
Atenta ao público de cidades distantes, em 2012 nasceu o produto “Patch Encontro lugastal”, aulas de costura realizadas em capitais brasileiras. Em 5 edições capacitamos 260 alunas, e através do questionário de satisfação é possível identificar e realizar melhorias  constantes. Atualmente dois patrocinadores/parceiros proporcionam a redução de altos custos de deslocamento/produção, e o Patch Encontro e grupos de artesãs se mobilizam para que o evento “visite” sua cidade.
Analisar o mercado em ascensão é um exercício constante, produzir e apresentar novidades criativas um delicioso desafio. Hoje divido com as colaboradoras importantes atividades do negócio, motivando-as e aumentando o comprometimento. Engajadas na missão de encantar e despertar emoções, suas opiniões são fundamentais. Essencialmente feminina, a equipe possui 5 colaboradoras diretas e 19 indiretas. 
Apesar de jovem (apenas 2,5 anos) a lugastal trabalha com responsabilidade de “gente grande”; os resultados aumentam nitidamente - em agosto do terceiro ano (2012) já foi alcançado 96% do faturamento de 2011. Alinhavando experiências e bordando realizações, empreender é, sim, uma delicada costura, mas como “brasileiro não desiste nunca”, o caminho é infinito!  

domingo, 11 de novembro de 2012

Quer viajar comigo?

Quando se quer algo com intensidade, não há desafio que impeça... os obstáculos existem, é claro, mas cabe à gente driblá-los da maneira mais sensata e torcer pelos resultados. A passagem do furacão Sandy pela costa leste americana quase me impediu de chegar ao Texas, mas com paciência, bom senso, muitas horas de atraso, mudança de companhia aérea e uma escala fora dos planos, desembarquei em Houston há alguns dias atrás, para acompanhar o que de melhor seria apresentado nas feiras Market International Quilt (evento exclusivo para lojistas) e International Quilt Festival (direcionado ao varejo).


  Welcome Texas !
Chegada no aeroporto de Houston:  que tal um café quentinho pra espantar o cansaço?!

     


E aí, quer viajar comigo sem sair de casa??? Aperte o cinto de segurança, desligue o telefone celular; permita-se uns minutos de sossego e vamos lá... 



quinta-feira, 8 de novembro de 2012

meu coração bate feliz quando te vê!

Crafters, artesãs, modistas, costureiras e loucas por costura de plantão: 
pra quem curte vintage e a contemporaneidade que ele nos traz... algumas das melhores imagens que fizeram meu olhar brilhar, durante a viagem ao Texas, na última semana.

(imagens garimpadas entre estandes do Quilt Festival, lojas crafts, infantis e museus).















Adorei! A imagem é super  vintage e a frase super atual!



sábado, 3 de novembro de 2012

Criatividade sem limites!

Pra quem achou que o blog estava de férias, quarentena ou algo semelhante, aqui vai um aviso: tenho trabalhado sem parar e começarão, a partir de hoje, posts especiais do International Quilt Festival, que termina neste domingo, em Houston-Texas.  Participar desse evento tão bacana sem partilhar com vocês um pedacinho do que tenho visto por aqui não teria sentido - portanto, é pra vocês que seguirão tantas fotos e momentos bacanas!  


Passear pelos longos - quase intermináveis corredores do festival é pura diversão!  Gente sorridente, roupas coloridas, por vezes congestionamento de carrinhos alugados (para esses momentos, muita paciência, porque aqui o pessoal aluga carrinhos pra valer...). O público se prepara com afinco para levar ao evento um astral diferente - e cada um chama a atenção do seu  jeito, no seu estilo. Contrariando a tese do meu pai, até agora não encontrei ninguém com uma melancia pendurada no pescoço, mas confesso... a criatividade da mulherada é infinita!

No ano passado, essa dupla de senhoras sorridentes não me passou despercebida - ao pedir pra fotografá-las, antes mesmo da resposta afirmativa recebi dois sorrisos literalmente colgate (ou kolynos, para os mais antigos)! Quem assistiu o vídeo aqui no blog poderá rever alguns momentos do Festival em 2011!



Pois na edição de 2012 não tem sido diferente. A noite de prewiew - lançamento do festival tinha uma comemoração especial - era halloween, e as bruxas estavam literalmente soltas!  Mas o que tem me encantado por lá são as "pessoas normais", que se destacam pela ousadia em passear com diversão e estilo altamente próprios! 

Aqui está novamente a dupla que conheci em 2011, desta vez num look totalmente diferente e tão gostoso quanto a edição anterior. Sozinhas, em duplas, trios, quartetos e daí adiante, quilteiras têm passeado leve e divertidamente pelo tapete vermelho, e aqui estão para mandar um "HELLO BRAZIL" para todas vocês, diretamente de Houston! 








Não é incomum encontrar grupos com roupas padronizadas, muita gente customizou jaquetas jeans, camisas e camisetas em série, o que dá a sensação gostosa de grupo, união e coesão. É o patchwork unindo pessoas, reduzindo distâncias e proporcionando momentos divertidos em que, muitas vezes, as línguas e costumes são distintos, mas o intuito é um só - prestigiar o que há de melhor nesse mundo de paninhos e emoções! 


E pegando carona na onda das "turmas padronizadas", 
as camisetas lugastal também andam passeando por lá!