quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Bailarinas lindas e seus tutus maravilhosos!

Se tem um assunto que me desarma é o tema ballet. Não me considero uma pessoa mal resolvida,  pelo contrário -  tive uma infância normal, divertida, gostosa; brincava na rua como todas as crianças da minha época, voltava pra casa diariamente na hora do sinal, antes de anoitecer. Morava numa cidade pequena, onde todos (ou quase todos) se conheciam, estudei no mesmo colégio anos a fio... e a maioria, ou quase totalidade das meninas estudava ballet. Menos eu, e outras raras exceções! Tá certo, se houvesse tradução para a antítese da bailarina, essa seria eu - no quesito delicadeza sempre passei longe, mesmo que involuntariamente.  Numa época em que o par romântico da novela era o Tony Ramos (obviamente jovenzinho) e suspirava apaixonado pela Elizabeth Savalah, que era... bailarina - era a própria referência (pronto, entreguei que realmente sou das antigas!!!!) 

Quando a professora questionava o que cada aluno queria ser quando crescer, 9 entre 10 meninos imediatamente respondiam  jogador de futebol, e as meninas, obviamente, aspiravam ser bailarinas. Menos eu, e talvez mais uma ou duas da turma - ai que raiva!!!! Mas pelo menos isso é uma prova de que o bom senso me acompanha desde pequena - tenho certeza que nenhuma das minhas colegas seguiram carreiras profissionais a passos leves e saltitantes sob o som de música clássica!!!!! A mais pura realidade é a seguinte -  naquela época minhas pernas excessivamente compridas e magrelas jamais conseguiriam executar com graça e harmonia um simples demi-plié. Eu poderia exercer qualquer outra atividade física sem dificuldades, mas o ballet realmente nunca foi a minha praia, e assim aprendi a me sentir uma menina absolutamente normal, e ouso dizer... amparada nos versos do mestre Chico Buarque de Holanda -em Ciranda da Bailarina.

Mas chega de blá blá blá -  já adulta venci minhas pseudo-traumas-de-nunca-ter-usado-um-tutu-bem-fru-fru-zen-to a cada apresentação na escola das meninas, e quando as arrumava com aquelas saias de tule engomado meu sorriso escapava involuntária e descontroladamente! Além de gracinhas, elas ficaram LINDAS (mãe é um ser irracional ridículo em qualquer lugar, essa é a verdade!).

E agora, que também as crianças (já pré adolescentes) não usam mais tutu, é hora de me deliciar produzindo e vestindo as Tildas bailarinas,  publicadas no livro Vintereventyr da designer de bonecas Tone Finnanger.


O livro é lindo - têm bailarinas, mini bailarinas, a protagonista da história A princesa e a ervilha; tem soldadinho de chumbo, pinóquio e outras novidades lindas e super delicadas! Gamou? Eu também!!! .

6 comentários:

Perfume de Pitanga disse...

Olá;

Olha eu já fui bem ao contrario adora usar frufru,laços,brilhos...rrsrsrs!! hoje em dia não uso tanto mas confesso que ainda sou apaixonada por esse universo mega delicado das rendas,laços e brilhos alias essas tildas são um encanto.

Beijos e um ótimo dia;
Nini

LELO disse...

A novela era Pai Herói, certo? Lembro da personagem bailarina (se não me engano o nome era Karina). Eu sempre tive uma paixão enorme pelos vestidos (meu primeiro desenho de moda foi a Escrava Isaura - Lucélia Santos) e os tutus da novela Pai Herói me faziam sonhar com esse mundo lindo.
Hoje ainda gosto muito do tema, assisto muito ballet e mantenho a paixão pelo visual - inclusive fiz uma marionete bailarina - se quiser, dá uma olhada no meu blog:

http://bymarcelocarbone.blogspot.it/2012/10/odette-swan-lake-princess-marionette.html

E outra nova paixão é a Tilda. Muito obrigado por compartilhar essas imagens lindas e tantas informações especiais!

:D

LELO disse...

acho que enviei o mesmo comentário várias vezes!!

Desculpe! Pensei que o site tinha travado aqui... :/

Genisa Couto disse...

Suspirei de amor!!!

lugastal disse...

Lelo, acho que era essa novela sim! eu e todas as meninas com 8 anos de idade naquela época sonhávamos em ser bailarina! risos... mas a vida dá voltas!!! abraço e bom dia!

Tricia disse...

Eu queria ser "bailarina" da Madonna, pasme! pra falar a verdade acho que ainda quero ser. kkkkk. Mas as bailarinas clássicas têm seu charme. Este livro está uma encanto, né? tenho um exemplar fresquinho também! Em 2013 pretendo fazer algumas! Beijocas!