domingo, 7 de outubro de 2012

Despedir dá febre!

Os últimos 15 dias foram uma verdadeira imersão no trabalho - atividades intensas, muitos encontros e novidades. Findos planejamentos, execução e desmontagem do Festival de Patchwork de Gramado e  feira Artesanal de Porto Alegre,  hoje foi dia de parar - a hora do descanso, e, por quê não dizer, da saudade. 

Foram duas semanas de emoções totalmente oscilantes - da forma com que conheci/encontrei/ reencontrei pessoas muito especiais, foi hora de me despedir de um grande amigo, e como já expus aqui no blog várias vezes, eu odeio despedidas! Se dar tchau numa sala de embarque de aeroporto já me aperta, mesmo sabendo que aquele momento nada mais é do que um "até breve", despedir-se para sempre corta o coração, mais especificamente o meu (com o qual tenho a mais total intimidade, por isso falo com precisão! risos...). Despedir dá febre, escreveu João Guimarães Rosa na obra  Grande Sertão Veredas, e é pura verdade!

Nesse intenso período de trabalho, meu amigo/companheiro da última década se foi, e nunca seria suficiente o tempo que tivemos para a despedida. Por dias trabalhei com a "cabeça aguada", por vezes foi impossível disfarçar. Eu sei, eu sei, animais são animais, mas é isso mesmo, ele era meu amigão; não deitava na minha cama, mas ficava ao meu lado em silêncio quando meu coração pedia companhia. Quietinho, sem questionar nem palpitar, seu olhar me entendia - em perfeita sintonia; era meu amigo e ponto final. 

Na semana em que assisti o comercial da gaúcha Panvel - A história de Sofia, a saudade apertou - meu companheiro faz muita falta! Lembrei de um comentário popular "quando perdemos algo que gostamos muito, ganhamos outro presente muito especial". É claro que nada supre nem substitui o amor, mas aquece o coração! 


p.s: meu presente chegou em formato diferente; arranha o sofá, ronrona no colo, e atende por Mingau.



7 comentários:

Dani Zanelato disse...

Fiquei com os olhos cheios de água com o seu post... eu sei bem como é isso... os bichinhos fazem parte da nossa vida (da de quem se dispõe é claro) e nos amam com uma intensidade incrível. Mas a vida é assim, de partidas e chegadas!

Grande beijo!
Dani

bela silveira disse...

Bjinho carinhoso pra acalentar teu coração!!!

Adri disse...

Oi Lu Gastal
Te conheci ontem na feira, mas não cheguei a me apresentar.
Eu também tenho esses companheiros peludos...são 4, um mais amoroso que o outro. Cada um com seu jeito e sua personalidade...difícil entender porque eles partem, mas é preciso.
Há poucos meses foi um dos cãezinhos do pátio que se foi, de forma dolorosa, mas era o momento. Sofri horrores e por dias mal conseguia sair de casa e enxergar a casinha vazia. Quando chegava do trabalho lá estava ele pronto pra me receber. Mesmo não sendo meu, acabei me tornando uma grande amiga dele e sua partida deixou saudades...

Sinto muito pelo seu amigo, sei bem como são essas coisas, mas só o tempo ajuda. O tempo é importante para amenizar nossas dores, nos deixando apenas a sensação gostosa da lembrança.

Beijinhos
Adri

Lili® Rampon disse...

Sinto muito pela perda do teu amigo peludo!! Fiquei com um nó na garganta ao ler o teu post!
Eu entendo perfeitamente o que estás sentido, pois a muitos anos perdi um fofo que me fez companhia por muitos anos e atualmente tenho 3 amigos (na verdade 2 amigas e um amigo), sendo que o menino já é velhinho e tem vários problemas de saúde que me deixam sempre apreensiva!!
Mas o tempo há de confortar teu coração e teu amigo, tenho certeza estará no céu dos animais sempre te fazendo companhia bem quietinho, toda vez que precisares!
Que o Mingau te ajude a passar por este período mais difícil! E se precisar conversar com alguém a respeito, podes contar comigo!
Beijos

Vera disse...

Lu,

Sinto muito pela sua perda, são nossos bichinhos queridos, amigos insubistituíveis, porque não haverá outro igual, apenas diferente nas sua "artes", amigos em qualquer momento, conversamos com o olhar, nos entendemos como iguais, carinho único, não dê adeus, porque ele estará bem pertinho de você,no seu coração e em sua memória, nas fotos, não há adeus enquanto amá-lo... ao mesmo tempo que você chorar de saudades vai rir da carinha dele. Agora chegou o Mingau, ame-o e ele te amará, não igual, mas especial como um novo amigo/companheiro,
Amigos não morrem, mudam de endereço!
Beijos

Vera

Beth disse...

Lu, não consegui segurar as lágrimas, pois meu coração sentiu sua tristeza...o que dizer numa hora dessas? Sem palavras...
Que o mingau não vai substitui seu amigão é fato, mas, tenha certeza ele irá aquecer seu coração.
Beijos flor!
Fique com a Paz de Deus<3

Marcia disse...

Oi Lu!!

Estou muita emocionada, acabei de ler teu texto..E me identifiquei muito,pois o ano passado meu Tobito também nos deixou e foi tudo tão de repente que ainda hoje sentimos toda falta do mundo!! Ele era um linguiça muito fofo, carinhoso, meu companheiro de costuras e patchwork...
Aquele olharzinho profundo nos cuidando é muito carinhoso!!

Beijo e muita costura em nossas vidas!!