quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Alinhavos, gestão & muita emoção!


Bom dia! A pauta do post de hoje era outra, completamente outra... tia Linha comentaria um email recebido da leitora Adriana da Silva, sobre ações diante de momentos de desânimo, dificuldades, etc. Porém, nem tudo é alinhavado na ordem que queremos; no meio dos processos surgem surpresas, e comecei o dia com o email da Dóris, artesã de Florianópolis, que me fez parar um pouco pra refletir. Impossível não se emocionar, no meio desse mundo que tantas vezes é tão ríspido e ardido, essa dose extra de carinho me desarmou e até perdi o fio da meada... digo, o teor do post! Mas deixar as emoções fluirem livremente também é muito bom, e hoje me permito fazê-lo!
Adriana, tua sugestão de pauta será postada logo logo... prometo! Dóris, muito obrigada pela sinceridade, e por abrir seu coração de maneira tão clara e sincera! 

Pra todas as leitoras lugastal, meu imenso agradecimento. Inspirar suas histórias e criações é o que me motiva a seguir o caminho, com, cada vez mais, força e determinação! 

Amo vocês!

tela pintada por Re Barillari


"Os primeiros momentos são de superação. Superei a impossibilidade, superei meu desconhecimento sobre bebês, depois sobre fazer comida, sobre ser mãe. Não fazia a menor ideia da "dor e da delícia" que iria viver, que vivo. Tornei-me a Dona Cotinha, uma personagem no estilo anos 20, que cuidava da casa, do marido, do filho e tentava ficar "ajeitadinha". Aos poucos a realidade foi tomando conta e percebi que ainda existiam uns litros de criatividade, interesses, curiosidade e necessidade de produzir mais, enfim eu ainda existia debaixo daquela mãe toda que me esforçava em ser. 
Nessa busca de mim, entendi que minha área não envolvia a mesa de um escritório (tentei trabalhar com o marido). Precisava me reinventar (ideia clixezona, mas era isso mesmo). Uma nova vida nova tomava conta de tudo. Eu estava ali dentro. 
Resolvi sentar à máquina. Fazer umas "coisinhas". Fiz. Fui procurar outras "coisinhas" para fazer... encontrei um monte de sites, de blogues, de pessoas no facebook. Alguns me chamaram a atenção, mas houve quem me inspirasse mesmo. Fiquei fã. Vi que fazer o que se gosta é parte de ser quem se é. Foi interessante ver que existia uma pessoa fazia as "coisinhas" de que gosto. Uma pessoa mesmo, que tinha família, marido, filhas, cachorro (agora tem gato) e até uma parceira que pelo jeito é seu braço direito dentro de casa. E essa pessoa é grande!!! A primeira vez que percebi seu tamanho foi uma surpresa. Engraçado os esteriótipos que temos. Não via ninguém GG (ela é bem alta para mim que não cheguei a 1,60) fazendo coisinhas miúdas e megafofas... ainda bem que agora penso diferente. Essa "alemoa" mostrou que é possível realizar sonhos. Transformou um sobrado caidão num lugar acolhedor. Por enquanto, conheço pelas fotos. Quando entro lá (em meus pensamentos) é um lugar de temperatura agradável, cheirinho gostoso (posso jurar que ou tem cheirinho de bolo ou de flor) e é muito colorido. Aposto que quem entra lá bota a mão em tudo. Eu tenho vontade de tocar nas almofadas, nos enfeites, nos quadrinhos. Dá vontade de sentar e bater papo. Até chimarrão (sou mais da água de coco, vivo na praia) tenho vontade de tomar!!
Então resolvi acompanhá-la através da net. E a Lu, é ... ela deixa a gente chamá-la de Lu mesmo, viria para minha cidade para um Patch Encontro, uma aulona em que se aprende coisinhas bem legais. Ansiosa, já me inscrevi. E aguardava o momento. 
Foi então que vi que o tamanho dela era G por dentro. Aquele clima acolhedor nos arrebatou. Queríamos bater foto com tudo que lembrasse ela. Conversar. Sem perder os detalhes da aula, claro. 
Sobre fotos: ela também gosta de registrar tudo. E nos homenageava fotografando nossas coisinhas: a necessaire de uma, a bolsa que a outra fez, a tilda criada na aula, um detalhe aqui outro ali. Juntou todos esses retalhinhos e criou um vídeo. Faz isso em todo Patch Encontro e nós podemos vivenciar de novo aqueles momentos, mantendo nossa chama acesa.
tempo passa, cada um segue sua vida, seja viajando pelo Brasil todo ensinando e fazendo crafts, como a Lu, ou cuidando da casa, marido, filhos, como eu; seja fazendo os crafts como eu, ou passando bons momentos com a família, como a Lu. Enfim, o tempo passou. 
Na minha empolgação, desatei a postar fotos do que eu era capaz. Dos meus crafts, das minhas "coisinhas". E não é que minhas coisinhas fizeram um sucessozinho?! Recebi encomendas, depois mais umas, outras. E uma amiga, após insistir longamente, me convenceu... estava na hora de eu entrar nesse mar. Minha amiga Zeizinha faz pijamas lindos, saias de rodar e montes de fofurices. Decidi: era a hora.
Quis ter uma marca, um nome, uma logo, alguma coisa que me identificasse, que transparecesse um pouco de mim. Como o Augustinho de "A Grande Família", ficava entre um nome e outro, indo e vindo sem decidir, apesar de já ter sido feita minha escolha. Eu estava insegura. Eu precisava de um respaldo pra a minha decisão. E pedi ajuda. Pedi mesmo. Falei com algumas pessoas pelas quais tenho grande respeito e consideração. Minha amiga mandou um Day Doll, claro..., minha profe de Literatura Tânia, alguns amigos deram sua opinião. E não era apenas gosto. Alguns fazia relações com as sete notas musicais e assim ía. Até que vi aquele botãozinho da Lu, no face, verdinho. Bateu a coceira. Perguntei para ela. (Me senti muito folgada nessa hora, até fiquei envergonhada mesmo). E não é que ela mandou um "Day Doll, sem dúvida"?!!! Ela era grande mesmo!... afinal não somos amigas de infância e ela doou seu tempinho, seu pensamento só para mim! para me ajudar também. Fiquei aliviada, a escolha estava certa.
Fui atrás de fazer a logo. Fiz. Gostei. Etiquetas. Fiz. Cartão de vistitas. Fiz. Adesivo (adoro!). Fiz. Tag. Fiz. Sacolinhas crafts. Comprei. Fita que combinasse com a logo. OK!
Começaram as entregas. A cada sacolinha me sinto uma mulher de sucesso... rsrsrs Estou montando meu atelier virtual, este blog, lojinha no Elo7, mas um passo de cada vez. Quando puder, arrumo um sobradinho... Aos poucos a inspiração se torna mesmo transpiração. Ainda sou uma pessoa com família, marido, filhos, cachorro, casa para cuidar, muito para aprender, mas agora tenho meus projetos, meu interesse em criar brinquedos pedagógicos de tecido (minha veia de professora não me deixa rsrsrs), enfim, faço minhas "coisinhas" ... e continuo me inspirando na Lu Gastal e suas "coisas" GG."   http://dorisdaydoll.blogspot.com.br/

9 comentários:

Babi Moreira Clemente disse...

Chorei lendo o texto da Doris, que conheci a pouco tempo através do face...
Tudo o que ela expõe neste texto lindo é exatamente o que penso sobre você! Minha musa inspiradora!!
Lu, obrigada por todo esse carinho e por ser acessível a todas nós, mães, esposas, trabalhadoras e crafteiras de coração!

Sílvia Rosa disse...

Que querida né Lu? mas você é assim, maravilhosa! com este sorriso contagiante e que nos deixa à vontade. Na Artesanal Poa, pedi para Lu Casado falar contigo e tirar uma foto (fiquei meio envergonhada também) mas você prontamente: Claro e foi me abraçando e sorrindo feliz! Obrigada por ser esta pessoa abençoada e fazer parte das nossas vidas! Te adoro, sempre mais.
Beijinhos e lindo dia!!!

Regiane / Monica disse...

Oi Lú... que história mais linda, isso faz nos lembrar que precisamos ter nossos projetos pessoais, nem que sejam pequeninos para manter viva a nossa essência, pois temos a mania de por todos em primeiro lugar e deixamos nós mesmas por último. Obrigada por você compartilhar seu universo conosco e obrigada a Dóris por dividir sua história. Com carinho. Regiane

lugastal disse...

Meninas... as histórias de vocês é que movem meus dias! Muitas vezes os relatos são tão pessoais e fico pensando "por que as gurias me contam isso"? Dessa forma, me sinto próxima, pra ser bem sincera, ao lado de vcs. Saber que meu trabalho inspira o de vocês é a melhor bênção, e aí é que eu posso dizer o quanto me é especial esse amor todo! Muito obrigada! Escrevam sempre os relatos, partilhem as histórias e faremos juntas uma super colcha de retalhos (emoções!).

Juliana Torres disse...

Não tô dizendo que ela gigante uma verdadeira amazonas (As Amazonas eram as integrantes de uma antiga nação de guerreiras da mitologia grega)Esta palavra descreve esta pessoa maravilhosa

SONHO DE CRAFT disse...

Lu,quando escrevi pedindo,sugerindo o post foi na intenção de descrever sua emoção nos momentos difíceis que sei,todas passamos e que as vezes nos traz desânimo e tal,mas,a energia nos trouxe esse post maravilhoso como nos mostrando que uma série de outros vão fluir por aqui tenho certeza,e agora entre risos e olhos marejados,sinto a mesma emoção da Doris porque é esse o começo meu e de todas né?e acertou em cheio na inspiração e energia do bem que emanas daí do Rio Grande,muito emocionada e feliz com o post com gostinho GG como sempre,xeiros nordestinos :).

Claregina disse...

Ola,
Meninas,
Muito lindo partilhar um pouquinho da historia de cada uma de nós.
Lu, vc realmente é uma pessoa muito especial

Bjs

Cláudia Gomes disse...

Muito emocionante esse texto. Sem minhas coisinhas não sou nada, foram essas "coisinhas", que eu costumo chamar de costurinhas e encomendinhas é que me tornei uma pessoa no mundo. Ainda mais q ñ sou casada e nem tenho filhos, só 2 de 4 patas (gatos, rs).Bjk

Denise disse...

Oi Lu, vc estava otima no programa do Tudo Artesanal, adorei sua participação, lendo esse texto da "dona Cotinha" me identifiquei muito com ela, tbem adoro fazer coisinhas, vivo tentando e testanto tecnicas diferentes, compro todo o material faço a peça e adoro o resultado, meu sonho sempre foi largar essa vida de escritorio (25 anos atrás de uma mesa), tudo já estava preparado na minha cabeça, meu atelie já tomava forma, tinha estabilidade financeira para largar tudo e começar do zero, mas infelismente algo muito ruim aconteceu, meu marido faleceu com apenas 49 anos e nossa vida virou do avesso, hoje não posso nem pensar em largar meu emprego fixo e tentar a sorte com artesanato, mas o sonho foi só adiado, sei que ainda mesmo que esteja já bem velhinha ele vai se tornar realidade, bjs Denise