quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

O que Disney nos ensina

O post de hoje é para pra quem empreende e batalha dia após dia (e tiver paciência para a longa leitura!!!);
Gosto dos textos que retratam cases de sucesso, principalmente porque eles também trazem alguma história de dificuldade nos trajetos. Por isso partilho essa matéria publicada na Zeroda última semana - caderno Cultura, escrita pelo arquiteto e ilustrador Cristiano Chaui.


A capacidade de arriscar tudo por suas ideias é o traço distintivo do criador de Mickey Mouse.

"Ouvimos recentemente o discurso do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, diante do castelo de Cinderela, na Walt Disney World, em Orlando. Dizia que o tempo para emissão de vistos para turistas do Brasil e da China seria reduzido em 40% até o fim deste ano, e apresentou medidas para facilitar o processo. Embora a alguns possa parecer curioso o lugar escolhido para esse pronunciamento, sem dúvida ele traz um significado bastante forte, e Obama sabe muito bem disso.
Há já bastante tempo o mundo Disney é um fenômeno singularíssimo para o turismo mundial. Desde a inauguração de sua primeira versão, em 1955, na Califórnia, seu criador procurava conceber um lugar fantástico, que não fosse somente um parque ou experiência, mas quase um sonho. Richard Schickel, um dos biógrafos de WD, chegou a dizer que "o simbolismo é quase perfeito demais" nesse mundo. Já em 1959, o premiê russo, Nikita Khruschev, em meio a uma turnê pela América, quis passear pelo parque - por então, com 4 anos de existência - juntamente com sua esposa, Nina. No entanto, quando foi informado que essa visita teria que ser cancelada por questões de segurança, chegou a esbravejar... Muito enfurecido gritava que havia sido "privado do prazer de visitar a cidade da fantasia". A iniciativa revolucionaria o conceito dos parques de diversão, elevando sua qualidade à enésima potência. Algo que encanta a todos que o visitam, mas especialmente aos brasileiros, que agora poderão colocar seu chapeuzinho com orelhas do Mickey Mouse com maior facilidade. 
Quem foi, afinal de contas, o idealizador desse mundo de sonhos, que não cessa de encantar crianças e adultos de todo o planeta? Walter Elias Disney, uma figura de influência indiscutível no mundo do entretenimento e das novas tecnologias. Ao contemplar figuras de criadores como ele, chama especial atenção a capacidade que tiveram de desenvolver as próprias habilidades e talentos, pois isso é algo que todos buscam de algum modo, independente da área em que atuamos. E podemos ter certeza de que Disney tem muito a ensinar-nos a esse respeito!
 Pois o sucesso pessoal de Walt, mais do qeu no desenho animado em si - que teve tantos profissionais lhe dando suporte-, foi o modo primoroso com que abriu novas frentes e inovou dentro do mundo do entretenimento, com que entusiasmou e motivou multidões de desenhistas, coordenou talentos e superou obstáculos.
Nas diversas biografias da vida e obras de Disney, fica evidente a sua capacidade de empreender e arriscar tudo por suas ideias, mesmo contando com pouquíssimos recursos e um ambiente adverso. Com Disney, podemos entender literalmente a máxima: "Gaste o que deva, ainda que deva o que gaste". Desde a sua primeira empresa, a Laugh O'Gram, fundada em 1922 com seu irmão Roy, foi sempre um empreendedor bastante audaz. Mas baseava-se para isso em bons talentos que trabalhavam ao seu lado e numa desmensurada busca pela excelência e qualidade.
Em 1927, diante de uma puxada de tapete do seu distribuidor, e do abandono de vários de seus desenhistas, foi que essa sua primeira empresa faliu, e que Disney, juntamente com Roy e uns poucos gatos pingados, teve de se reerguer das cinzas. E se reergueu rápido: um ano depois, quando tudo parecia desmoronado, Disney se introduziu ferozmente como o mais brilhante criador dentro da animação. Lançava nada menos do que o rato que revolucionou o cinema dos anos 20/30: Mickey Mouse. Esse fenômeno conquistou o mundo e passou de longe todos os outros curtas animados da época, além de introduzir o som e a fala dos personagens, algo inédito até então. 
Estava apenas nascendo aí a primeira inovação de uma série. O torque de Walt, que sempre puxou por novas frentes de trabalho e novos projetos, foi responsável - entre outras - pela introdução da cor nos desenhos animados; a introdução do brainstorming, do storyboard e da moviola no processo de criação; pelo primeiro desenho animado de longa metragem, Branca de Neve e os 7 anões, de 1937; pelo pioneirismo no uso da câmera multiplano, em Pinóquio; primeiro parque temático em grande escada, com a Disneylândia, no início dos anos 50; entre tantos e tantos outros. Quando morreu de câncer de pulmão, em 1966, já tinha concebido a Disney World e o Epcot Center, na Flórida, e tinha ainda muitíssimos sonhos e projetos a realizar. Um empreendedor e tanto.
Se algo se destaca desse vulcão criativo além da capacidade de antever tantas tendências e conceitos da sua área, é pelo resgate que dá a tantos valores humanos positivos - família, virtudes, da vida, e da alegria de viver - tão presentes até hoje em todas as produções da empresa que fundou. Nos seus 65 anos de vida, foi duramente atacado por muitos por pregar esses valores considerados "poucos realistas". mas o fato é que realmente buscava ser coerente com o que apresentava."


p.s: Tia Linha curtiu; e você???


6 comentários:

Eli disse...

Que lição e tanto!!!!
Admiro muito o Walt e tudo o que fez.
O pioneirismo e a inovação lembra um pouco Steve Jobs. Ambos pregavam que devemos sonhar e sonhar alto.
Abs,
Eli

Luciana Brito disse...

Obrigada Lu, por compartilhar um texto tão rico.
Bom dia pra você!
Bjo

Cecilia e Helena disse...

Curti demais, Lu. Criatividade, sonho, persistência!... O sucesso da Disney é realmente a simbologia perfeita para retratar tudo isso, e o exemplo perfeito para quem quer viver disso!
Beijos,
Helena

edna regina disse...

Oi Lu,bom dia!!! Olha coincidência a parte,está noite perdi o sono pensando neste criador maravilhoso que criou este mundo de sonho com tão poucos recursos e hoje é tão grande que encanta o mundo,sou pequenina artesã da minha cidade e pouco conhecida,mas no universo das ideias viajo tão longe que fico a pensar que o que vale mesmo é gastar tudo e o pouco que se tem,para colocar no trabalho que realizo com meu coração e o amor que vem da minha alma....acho que este amor tocou o criador Disney....amo seu trabalho,obrigada por compartilhar...bjs!!!!!

Marília disse...

Amei esse post Lu, eu amo tudo que Disney, a história é fascinante, e em agosto de 2011 pude finalmente ir a Disney ver isso de perto é outro mundo, é inexplicável!
Bjks querida!

Marcinha disse...

Curti muito. Uma leitura que recarrega. E sem dúvida inspira.
Beijos Lú.