segunda-feira, 28 de março de 2011

Elas são as donas!

          Semana recomeçando (com muita chuva no Rio Grande do Sul), mês de março acabando! Depois de 3 dias em festa, retorno às atividades normais, com muito trabalho pela frente! Agradeço pelas inúmeras mensagens carinhosas, abraços, flores, presentes e, sobretudo, pelo amor que recebi por ocasião do meu birthday! Até Tia Linha me trouxe um docinho (aliás... há muito tempo não comia tantos doces maravilhosos - começamos na quinta-feira com um bolo de chocolate com doce de leite feito pela Lisi, sexta foi dia de doces de Pelotas, sábado chegou uma caixa recheada com brigadeiros com diversos sabores - presentão da Débora (Ateliêr de Brigadeiro), e à noite muito sorvete, sagu com creme de baunilha, e, é claro, cupcakes da Laurinha!).  Me senti muito, muito querida (e gulosa)!!!!!

             
               Mas chega de festa, porque hoje tem Alinhavos & Gestão!

               Embora eu não seja adepta dos rótulos que as datas comemorativas concebem, não há como negar que, para o comércio e sociedade, março é  "mês das mulheres". Por isso, antes de virarmos a folhinha do mês, deixo aqui parte da matéria publicada na revista Época - ed 668 - que trouxe um encarte especial muito interessante, sobre O Futro das Mulheres - o desafio feminino do século XXI é conciliar, pela primeira vez na história, trabalho e família com os cuidados e os prazeres da vida pessoal.

               Matérias muito bacanas foram distribuídas no encarte, falando sobre saúde, vaidade, sentimentos, cargos de chefia, compras, diários públicos (nossos queridos blogs!!!!), moda e, obviamente empreendedorismo. Tia Linha, ligada em trazer prá vcs um pouquinho das novidades no que refere à gestão e assuntos do gênero, deixou a revista guardada na minha bolsa, com o pedido de que eu trouxesse ao blog para dividir com as leitoras da colunha "alinhavos & gestão";


Já há mais mulheres empreendedoras no Brail do que homens. No comando de suas empresas, elas podem mudar o país.

Alexandra Gonsalez

O número de brasileiras à frente do próprio negócio superou o de homens pela primeira vez na história. Elas já são 53% dos profissionais que decidem juntar as economias e tentar a sorte em carreira solo - um universo de 18,8 milhões de pessoas no Brasil. As mulheres já vinham ensaiando a decolagem há quase uma década. Desde 2001, segundo a pesquisa Global Enterpreneurship Monitor, realizada no país pelo Sebrae  pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade, o número de empreendedoras msotra a tendência clara de crescimento, enquanto o de homens empresários está estagnado. E 2009, ano do levantamento mais recetne, elas deram a virada. "As mulheres já são maioria nas empresas e nas universidades. É natural que comecema  despontar como empresárias",, afirma Enio Pinto, gerente de Inovação do Sebrae Nacional.

A ascesão das pequenas empreendedoras está mostrando ao mercado que as mulheres têm perfil diferente na hora de tocar o próprio negócio. A experiência de especialistas com Enio sugere que elas são mais cuidadosas. Analisa e planejam melhor as oportunidades antes de se lançar na empreitada. E são menos imediatistas;têm mais persistÊncia para esperar que o investimento comece a gerar lucro.

As novas empresárias também foram espertas ao tirar proveito do bom momento a ecoomia nos últimos anos. Mulheres da Classe C perceberam o aumento da renda entre as amigas e suas famílias e enxergaram a oportunidade de explorar a sede de consumo da ova classe média brasilieira. Segundo um estudo do IBGE e o instituto de pesquisa Target Group Index, pelo menos 50% da população, algo em torno de 95 milhões de pessoas, ganhou poder de compra nos últimos anos. As novs empreendedoras começam vendendo doces ou cosméticos e logo percebem qe trabalhar porcnta própria pode ser mais do que um bicdo para complementar a renda. Gerlmente, escolhem investir em negócio no ramo de beleza ou alimentação.
(...)
A conclusão mais surpreendente vinda da experiência dessa nova safra de empreendedoras é que as empesas tocadas or mulheres são as que mais trazem efeitos positivos para a sociedade. A consultoria Global Markets fez um levantamento há dois anos e descobriu que as mulheres  costumam reinvestir na sociedade  renda gerada pela empresa. Gastam com a educação dos filhos e a saúde deles. Já os homens, sugere a pesquisa, gastam cosigo mesmos, em roupas, caros e lazer,  no próprio negócio. O estudo sugere que um número maior de mulheres empreendedoras aumentaria o crescimento do PIB em 0,7% ao ano. Até 2030, a renda per capita cresceria9,1%. "Quando as mulheres investem na qualificação dos filhos, o país ganha profissionais bem formados, que se colocarão no mercado de trabalho, gerando consumo e movimentando a economia", dia Tales Andreassi, coordenador do Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Fundação Getúlio Vargas. 

As perspectivas animadoras sobre os desdobramentos sociais e econômicos do empreendedorismo feminimo já despertaram a atenção dos investidores. (...) A FGV, em São Paulo, e a Fundação Dom Cabral, de Belo Horizonte, são responsáveis pelos cursos gratuitos, que ensinam e elaborar um plano de negócios, montar a estratégia de marketing  cuidar das finanças da empresa. A fata de capacitação nã faz distinção de gênero.
    

sexta-feira, 25 de março de 2011

que venha os 40!


    Em minha adolescência, visualizava uma mulher quarentona com um vestidinho de jersey, talvez num mini floral bem discreto, arrematando a cintura com um fino e delicado cinto do mesmo tecido. Por sorte dos deuses, essa imagem era um engano! Hoje chego nos 40 e me sinto uma guria (heheheh, com algumas limitações relativas à metabolismo e saúde, mas nada que não se resolva!!!!). Seguidora da teoria de que uma boa e confortável calça jeans dá um up em qq visual, independente de estilo. E, se puder casar o look com all star ou sapatilha, melhor ainda!

    Mas, por falar em estilo, minha constante preocupação é não beirar o limite do ridículo, por ex., adoro mini jeans, mas não me sinto bem usá-la como fazia há algum tempo atrás - talvez minhas pernas compridas não me permitam mais certas ousadias com tanto desprendimento! Por outro lado, hoje uso e abuso de decotes e exibo minhas tatoos sem o menor problema.

    Confesso que já vivi fases de roupas mais elegantes, na época da advocacia, mas mesmo naqueles momentos esporadicamente um all star entrava num look de terninho - preferencialmente nas sextas-feiras!

    Engraçado que o tempo passa e os valores mostram que mais importante do que vestir-se bem é sentir-se bem! Espero que daqui há 10 anos eu escreva outro post num diferente, porém, sensato olhar. Acho, aliás, que 10 anos passam voando e me vejo uma cinquentona no mesmo estilo que sou, hoje, quarentona! E nesse papo de "décadas", lembrei que meus 30 aos chegaram sem me dar tempo nem uma crise de identidade. Acabara de ser mãe pela segunda vez, o corpo avisava que algumas coisas eram diferentes - como emagrecer em uma semana,  mas meu coração estava cheio de sentimentos bons! Ah, foi beirando os 40 que descobri o que queria ser quando crescer, e aqui estou!

   Assim, sigo meu caminho, rumo aos 50! Dividindo as conquistas, dificuldades, dias de rir, de chorar, coloridos, nublados, quentes ou gélidos (e até porque não dizer, como naquele velha e conhecida frase pré nupcial... na alegria e na tristeza)!!!!! Tropeço (sou A desajeitada), às vezes caio, mas sempre levanto; durmo quase sempre bem antes da meia-noite (depois viro abóbora), e adoro chopp com batatinha frita! Venho há  anos usando o mesmo manequim, embora às vezes com uns disfarces em alguns detalhes que insistem em aparecer... hoje divido sapatos com a primogênita, alguns acessórios com a caçula, e sigo a vida, como deve ser!

segunda-feira, 21 de março de 2011

Porto Alegre & Lu Gastal - ano II

Há pouco mais de um ano, escrevi um breve post sobre meu recente relacionamento com a capital gaúcha. Até então, morar em Porto Alegre não fazia parte dos meus planos - mas a vida dá voltas e os planos ídem!

Não demorei para me adaptar, e, poucos dias após o post, foi momento de juntas, comemorarmos aniversário. E, justamente naquele momento de pura solidão, me sentia "em casa" ao assistir o comercial da rede Zaffari de supermercados. Sou ligada em campanhas publicitárias; fico atônica com a criatividade e olhar daqueles que as criam e produzem, e não há como negar que as do Zaffari são lindas. Posso até dizer que engordo as estatísticas de marketing (hehehe!).
E como essa semana novamente assopraremos mais uma velinha (eu, 40, ela, 239 anos),  divido com vocês o vídeo, prá mostrar a quem não conhece ou está longe,  porque Porto Alegre é demais!




domingo, 13 de março de 2011

petit-dejeneur + Feira Craft + Design - por Ma Stump

Nesse domingo "ganhei" o post já escrito pela Ma Colacorelinha.
Deixo aqui algumas fotos super alto astral clicadas por ela.
(ainda bem que eu estava com as unhas arrumadas!!!)




domingo, 6 de março de 2011

tea fabric

      Tá a fim de ocupar o domingão e não sabe com o quê. Que tal tingir paninhos?

     Costumo aproveitar os domingos prá inventar algo que venha a ser útil em alguma produção futura. Hoje resolvi tingir com chá pedaços de algodão cru, que dão um toque "tudo de bom" nas produções de Páscoa (sim, estou mesmo falando na Páscoa, afinal, é carnaval, e 40 dias passam muito rápido). Gosto também de tingir pano com café, assar no forno, etc... mas hoje, por aqui, é mesmo o dia de tea fabric.

     Prá começar as atividades, separo uma panela (grande) com água fervente. Uso umas 5 colheres de sopa, com chá preto (não importa a marca, chá preto é forte em qq lugar!)!

       Depois de uns 15 minutos de infusão, passo o chá prá outra panela, coando bem prá não grudar folhinhas no tecido.


           Em seguida, é hora de "afogar" o tecido (que costumo cortar em pedaços de 0,50 X 0,50), mexendo com a colher prá não queimar as mãos, por uns 10 minutos.


Tampo a panela e deixo o pano ali até ferver completamente. 


Depois, tiro da panela, torço bem e aí é só colocar na corda e esperar secar!!!


Dica preciosa: prá quem não gosta de manchar as unhas, é aconselhável o uso de charmosas luvinhas plásticas!

   
                     Depois de secos, passo bem os tecidos, com ferro a vapor, prá tirar os amassados maiores (amassinhos leves ficam um charme no pano tingido com chá!)

quarta-feira, 2 de março de 2011

Tia Linha para Banana Craft

Hoje a coluna Alinhavos & Gestão traz um pouco da história de Tia Linha!
Tá lá no Banana Craft, o blog  de manualidades mais colorido dos pampas gaúchos!



A entrevistada de hoje é a tia Linha, uma personagem que nasceu da intenção da Lu Gastal de criar uma coluna em seu blog que falasse de negócios. Para dar forma a essa personagem, entrou em cena a ilustradora Hyali Barros, da Phabrica de Coisas – responsável pelo visual da palpiteira mais famosa do mundo da costura. Com vocês, um pouquinho mais sobre a tia Linha.

Nome: Tia Linha

Lugar onde mora: Vivo num espaço imaginário, coração da Lu Gastal.

Profissão: Ah, eu sou crafter e “palpiteira”!

-Conte um pouco da sua história de vida.
Eu nasci de e-mails trocados entre duas profissionais – dentista e advogada, que alinhavavam idéias sobre artes e criações manuais. Os 1490 kms que as separam não foram impedimento para a união dos trabalhos de Hyali Barros e Lu Gastal. A Lu pediu uma ilustração de um personagem masculino para a coluna “Alinhavos & Gestão”, e Hyali, antenadíssima em ilustrações criativas, pensou em mim, afinal, o “mundo feito a mão” é 80% feminino! Ela insistiu com Lu, e quando mandou meu “rascunho”, foi paixão pura! É claro que existem homens muito criativos e habilidosos, mas as mulheres se permitem essa imersão com mais facilidade, talvez até pelo papel que têm no lar, ou pelo perfil de fazerem várias coisas concomitantes – cuidados pessoais, amigos, filhos, marido, supermercado, sonhos, realizações, trabalho.

-Como você começou a sua experiência com gestão no mundo craft?
Minha experiência nasceu das buscas que a Lu faz, atrás de matérias, novidades e textos ligados à gestão. Por trás de sua marca, existe uma união constante de esforços, e Lu tem o auxílio de dois representantes do mundo masculino. Ambos trabalham junto à iniciativa pública e privada, com projetos ligados à gestão e competitividade. Dessa forma, o “trio” reúne-se semanalmente, em busca de pequenas atitudes que resultam em excelentes resultados.

- Qual sua expectativa com a coluna no blog?
A coluna nasceu por sugestão do marido da Lu. Diariamente discutiam assuntos do novo negócio, quando ele palpitou que ela escrevesse, partilhasse, dividisse as experiências empreendedoras. Quando foi ao ar, digo, “à web”, as visitas diárias do blog aumentaram visivelmente, e em pouco tempo a coluna Alinhavos & Gestão passou a ser esperada por crafters de vários lugares diferentes. Recentemente, ficamos quase 2 meses sem publicá-la, e não foi uma nem duas reclamações que chegaram pedindo o retorno da tia Linha (ai ai ai… fiquei tão feliz!). Uma amiga da Lu mandou um torpedo no seu celular – “inha inha inha, queremos Tia Linha”!!!!

Sua experiência como crafter é importante para o seu trabalho em gestão de empresas?
Penso que sim! Na verdade, como sou um “pedacinho da Lu”, consigo identificar as dificuldades de quem trabalha com no mundo artesanal, em inúmeras situações que podem ser úteis à outras artesãs ou empreendedoras.

-De onde vem a inspiração para o seu trabalho?
Do infinito e criativo universo artesanal e empreendedor – blogs, sites, revistas, fotos, e-mails.

-Como começou a sua parceria com a LuGastal?
Como já contei, não sou parceira da Lu, e sim, um pedacinho dela! Primeiramente, eu seria a “cara” da coluna Alinhavos & Gestão, mas não há jeito de fracionar essa parceria!

-Você e a Lu são muito parecidas fisicamente. No que mais vocês se parecem?
Nos desejos, na busca por novidades, por fugir do “lugar comum”. Somos batalhadoras, empreendemos e seguimos a máxima de Martin Lutero – de trabalho não há quem morra!

-O que você gosta mais de fazer: manualidades ou administração?
Sem dúvida, prefiro as manualidades, mas sem a administração não é possível identificar se o negócio é rentável e próspero. E negócios que só dão prejuízos não são negócios, e sim, “furadas”! Assim, faço um mix entre o perfil crafter/empreendedor da Lu, e gestor/competitivo dos “meninos”, que são tímidos e não querem seus nomes aqui divulgados (ai que chatos! Hehehe!).

-Como é o seu ritmo de trabalho?
Árduo, deliciosamente incerto e sem rotina!

-Se não fosse uma mulher de negócios, o que você seria?
Ah, eu não sou uma business woman… sou uma mulher normal, batalho pelo que busco, tropeço, caio, levanto e sigo em frente! Tenho TPM, momentos de desânimo e dificuldades como tantas outras, minha casinha para cuidar, a vida pessoal para administrar!

-Qual o seu momento mais importante e que rendeu mais frutos?
Dani, prá mim não há nada mais importante do que saber que as pessoas acompanham e lêem o que escrevo! É o que move esse esforço todo, impulsionando os projetos LuGastal e incentivando tantas pessoas espalhadas pelo mundo. Embora muitos não saibam, o blog LuGastal é feito essencialmente por ela; às vezes com auxílio de pessoas que escrevem mails e enviam sugestões e pedidos de pautas específicas, e isso o torna “real”. É acompanhado por mulheres com diferentes perfis, classe social e profissões, e talvez, por trazer a bandeira de toda mulher comum, que vive com as dificuldades e alegrias inerentes do mundo. O blog é escrito pela Lu, ninguém é contratado para escrever em seu nome, embora as participações voluntárias sejam sempre bem vindas! Tem alma e essência, de forma verdadeira e sincera; isso, sem dúvida alguma, o torna especial