sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

o último post do ano

Foi-se o tempo em que eu entrava o  ano cantarolando "adeus ano velho, feliz ano novo". O tempo passa e a gente vai ficando mais realista, entendendo que o reveillón nada mais é do que uma data imposta por nós mesmos; um simbolismo. Na verdade, eu até curto aqueles rituais "inofensivos"; dar uns pulinhos nas ondas do mar, vestir alguma peça de roupa branca e beber um espumante à meia noite, mas tudo dentro dos limites da normalidade e racionalidade. 
Mas o que me agrada nessas festas de final de ano é arrumar uma mesa bem bacana, usar uma louça legal, dar uma caprichada nos detalhes. Nesse ano, nossa ceia natalina não tinha nada vermelho e verde; optei por detalhes turquesa e laranja. A toalha ganhei da mãe há vários anos, a louça com nuances furta-cor é herança da minha avó paterna, os talheres são usados diariamente em casa, e os castiçais vieram  da lugastal, obviamente! Como queria mais algumas velas à mesa, usei dois copos de cristal, que garantiram um toque sutil de leveza.
Curti a noite, dividida com a família e amigos queridos; acho que esse é o real significado dessas festas e encontros, uma pausa na correria; tempo pra sentar, conversar, rir (ou chorar, se for o caso), se emocionar, e, sobretudo, se permitir celebrar aquilo que gostamos e acreditamos! 
Um leve e gostoso reveillón pra todos nós, sem esquecer que já no domingo será ano novo, e a vida segue...  feliz 2012!








Pra quem é ligado no significado das cores, tem um site que explica um pouquinho sobre cada uma delas. Curiosa que sou, passei por lá pra bisbilhotar características das cores que escolhi pra essa mesa! 
"O laranja é uma cor ativa, significa movimento e espontaneidade; simboliza encorajamento, estimulo, robustez, atração, gentileza, cordialidade, tolerância e prosperidade. Cor da comunicação, do calor efetivo, do equilíbrio, da segurança, da confiança. O azul turquesa significa tranquilidade, compreensão e frescor. É a cor do céu iluminado, das alturas, do espírito e do pensamento. Simboliza a lealdade, a fidelidade, a personalidade, o ideal e o sonho". 


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Receita de ano novo

  
"Para você ganhar belíssimo Ano Novo; cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, ano novo sem comparação com todo o tempo já vivido (mal vivido talvez ou sem sentido). 
Para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; novo até no coração das coisas menos percebidas (a começar pelo seu interior). 
Novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, mas com ele se come, se passeia, se ama, se compreende, se trabalha, você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, não precisa expedir nem receber mensagens (planta recebe mensagens? passa telegramas?) 
Não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na gaveta. Não precisa chorar arrependido pelas besteiras consumadas nem parvamente acreditar que por decreto de esperança a partir de janeiro as coisas mudem e seja tudo claridade, recompensa, justiça entre os homens e as nações, liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, direitos respeitados, começando pelo direito augusto de viver. 
Para ganhar um Ano Novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo. Eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. 
É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre."

Carlos Drummond de Andrade




(Simpatias de proteção, energização de ambientes, ou apenas uma decoração especial!)


domingo, 25 de dezembro de 2011

eles não poderiam faltar!

Já é sabido aqui que minhas habilidades culinárias não são abundantes; não tenho vergonha em contar tampouco faço questão de mudar os hábitos, visto que, por sorte ou destino, aqui em casa se cozinha super bem! Acontece que faço uma receita "muito da gostosa", os biscoitos de mel, que vocês já conhecem. No ano passado fui presenteada com o post "tradição emprestada", da querida Ana Sinhana, que realmente me tocou tamanho carinho e, principalmente, ao saber que a receita faz sucesso nos lares alheios. 

Os biscoitos de mel já foram tema de matérias legais, mas sobre isso já falei no post do ano passado, os melhores biscoitos do mundo, e, sem modéstia, eles são, sim, bem gostosos, e exalam um aroma delicioso pela casa em dia de "fornadas". Pois nesse ano o Papai Noel estava batendo à porta, os sobrinhos chegando de longe  e a gente não tinha tomado nenhuma doce providência...  Como me propus a fazer as sobremesas da ceia (isso mesmo, voltei à conversar com meu velho e amarelado livrinho de receitas), por que não começar com os biscoitos? Era hora de por a mão na massa! 

A receita é simples, mas demanda um pouquinho de tempo, visto que a massa precisa descansar na geladeira por algumas horas. Quem quiser se aventurar das delícias, tá tudo explicadinho no Superziper, num post especial natal de 2009.

As fotos não são profissionais como nas receitas da amiga Glau Quitandoca, mas podem traduzir um pouquinho dessa atmosfera tão gostosa!

p.s: os biscoitos podem ser feitos em diversas ocasiões e datas comemorativas, e são uma excelente desculpa para aqueles domingos que pedem algo especial sem nenhum motivo explícito!!! E aproveitando que esse é realmente festivo, desejo um feliz Natal pra todos vocês!


Deixe os biscoitos "descansando" para esfriar antes de confeitar;


 Momento corante - um cuidado especial para não manchar os dedos!


 Vale graduar a coloração com a intensidade de sua preferência;


 Use saquinhos de celofane pra separar o glacê por cores - são descartáveis e práticos!


Essa é a parte boa... a criançada também adora!!!


Antes de lavar a louça, vale roubar o que sobrou nas pás da batedeira???


Esse paninho de cozinha foi minha primeira produção craft, em 1996;


Embale em pequenos sacos de celofane e amarre com fita, ou coloque todos num grande vidro, 
e deixe-os prontos para o ataque!!! 


Enquanto eu confeitava os biscoitos de mel, rolava uma festinha muito da animada "lá no meu apê", na qual não fui convidada, portanto, me limitei à parte térrea do lar. Mas eles - os convidados, se permitiram a participar do meu momento confeitaria. Pode? Obviamente que sim!


sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Querido Papai Noel!

Ontem de manhã dei uma fugida da loja e fui até o shopping. Não escondo de ninguém que evito esse programa em época natalina, mas tinha um compromisso importante: entregar a cartinha pro Papai Noel!

Chegando lá, fui direto àquela ilha onde tem o pinheiro lindo e a poltrona do velhinho, mas não o encontrei. Não havia tempo para frustrações; imediatamente  deixei a cartinha na caixa de correspondências para que ele encontrasse ao chegar, e no momento em que estava registrando o momento, eis quem chega: o próprio! Me pediu um minutinho para colocar as luvas, comentou o atraso das ajudantes que ainda não estavam por lá, e... pronto, me chamou para a entrega, afirmando que leva todas pra casa e as lê, uma a uma. 

A cena até poderia passar despercebida pelos que ali passavam, não se tratasse de uma mulher digamos... adulta; com 1,80, e acho que, embora ele tenha estranhado, curtiu o papo! 

Missão cumprida, dei um abraço amigo, entreguei a carta e voltei pra loja!




"Querido Papai Noel!

Não lhe trago essa cartinha com o intuito de pedir, e sim de agradecer. Outro dia, conversando com uma pessoa que me é especial, ela me perguntou “o que o Papai Noel  significa pra ti?”, e refleti sobre isso por alguns dias. Eu traduzo sua figura num momento em que todos deveríamos “fechar para balanço”, nem que fosse por apenas uma manhã, ou, quem sabe, uma tarde inteirinha. Papai Noel, pra mim, é reflexão, é abraçar quem nos fez bem durante o ano, ou quem nos ajudou a nos tornarmos um pouco melhor, com alguma crítica ou discussão construtiva. Quem sabe o velhinho de roupa vermelha não seja, nada mais, nada menos, do que nós mesmos tentemos ser; alguém que agrada o próximo, com carisma e afeto, sem fazer força. É claro que nem o senhor escapa dos rabugentos de plantão; deve ter gente pelos 4 cantos do mundo resmungando sua presença, quando, na verdade, dariam tudo para se permitir curtir esse momento mágico (será que o senhor recebe cartinhas anônimas com ameaças infames???). Por isso, querido Noel, sua presença me é importante nessa época, avisando que está na hora de parar, respirar e avaliar todos os  itens do dia-a-dia que forem necessários.
Enquanto o senhor está aí, sentado nessa confortável cadeira do shopping, sorrindo docemente e se deixando fotografar com crianças e adultos, eu me questiono: “o que passa por seu pensamento ao observar o vai e vem de tantas pessoas desconhecidas?”. Viajei, né Papai Noel!?
Mas chega de blá blá blá; vim aqui te dar um abraço e te agradecer. Talvez eu não consiga ligar para os amigos que não vejo há tempos, mas me darei tempo para pensar em cada um deles. Talvez minhas filhas me achem uma mãe exigente e chata, mas terei a certeza de que esse cuidado faz parte do meu amor; talvez o marido não entenda minhas angústias femininas, enquanto eu brigo para driblar qualquer oscilação hormonal; talvez, talvez, talvez. O que tem de bom nessa função toda de pré festas é que hoje moro perto da minha família, e não precisarei ficar horas sentada numa sala de espera de aeroporto pra chegar a tempo na noite de Natal; consegui 2 horas preciosas nessa semana para cuidar de mim e pintar os fios de cabelo brancos que os 40 anos me trouxeram;  tentarei – mesmo não cultivando dotes culinários – fazer algumas sobremesas bem gostosas para quem me visitar no fim-de-semana, no maior impulso “eu sou capaz de...”, além de arrumar a mesa com dose extra de capricho; posso dizer aqui no blog o quanto me é especial o carinho que recebo de leitores de tantos lugares diferentes, traduzidos em simples gestos e emails que chegam no decorrer do ano, naqueles momentos em que tudo parece exaustivo. Obrigada Papai Noel, por me proporcionar essas horas de avaliação interna; o senhor não tem idéia de quanto isso tudo me faz bem!

p.s: há uns quatro anos atrás, minha filha mais velha perguntou “mãe, afinal, Papai Noel existe ou não existe?”. Imediatamente respondi “existe, para quem acredita”.




Esqueci um detalhe importante ( o MAIS importante, diga-se!!!): a cartinha da Lulu; mas dava tempo, corri e entreguei! Missão cumprida - parte II!



Aproveito para agradecer a vocês;  obrigada pela companhia por aqui, sempre!
E desejo um Natal muito gostoso, leve e divertido!

Neste sábado,  loja aberta até as 16h... quem precisar um presentinho de última hora, ainda dá tempo!




sábado, 17 de dezembro de 2011

lugastal orgulhosamente apresenta...

PÍLULAS LUGASTAL

USO ADULTO

Embalagem com 10 comprimidos revestidos

COMPOSIÇÃO: cada cápsula contém um papel colorido, com uma frase de conteúdo diverso, devidamente assinada pelo autor. São mensagens de amizade, perseverança, amor, persistência, gestão e outros temas que merecem nosso pensamento.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

Ação esperada do medicamento

As pílulas lugastal foram produzidas para proporcionar momentos de reflexão. Embora refletir seja um exercício simples, gratuito e proporcione bem estar, muitas vezes o ritmo acelerado do dia-a-dia impede tal prática. O ato da reflexão incentiva o resgate de pensamentos, de forma com que se busque o que há de mais especial em nossos atos diários; pensar também oferece a chance de mudarmos aquilo que nos incomoda, além de nos tornar pessoas melhores.

Prazo de validade: refletir não demanda tempo nem hora, portanto, não possui validade determinada.

INDICAÇÕES: as pílulas são indicadas para todos os momentos em que você sentir vontade de um minuto de silêncio; tenha-as sempre em lugar de fácil acesso, pois poderão garantir que um sorriso lhe escape involuntariamente num momento comum, proporcionando boas sensações a quem as ler. Ideias para serem lidas em salas de espera, engarrafamento de trânsito, ou mesmo naqueles dias em que se precisa de carinho!

CONTRA-INDICAÇÕES: são contra-indicadas para pessoas com escassez de humor.

POSOLOGIA: as pílulas podem ser administradas em doses homeopáticas e em horários livres; pela manhã, tarde ou noite (ou quando seu coração pedir). Ao abrir a cápsula, desenrole e leia a mensagem contida no papel. Aproveite a surpresa e seja feliz!

PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS:
ESSAS PÍLULAS SÃO MERAMENTE VISUAIS, JAMAIS DEIXE AO ALCANCE DE CRIANÇAS!
NÃO FORAM COMPOSTAS PARA INGESTÃO, APENAS PARA LEITURA E REFLEXÃO!








Pra quem curte novidades, criatividade e gosta de surpreender em seus presentes!

(produto disponível na lojinha virtual e loja lugastal em Porto Alegre)


p.s:  esse produto é exclusivo no Brasil e encontra-se em processo de registro. É "contra indicada"a reprodução!





terça-feira, 29 de novembro de 2011

Alinhavos & Gestão


Post para quem é ligado em tendências empreendedores - a revista Veja dessa semana trouxe uma matéria muito bacana (capa), assinada por Ana Luiz Daltro e Érico Oyama;  AS LIÇÕES DOS VENCEDORES.

Em oito páginas, a matéria versa sem rodeios sobre a realidade brasileira - a cada semana são abertas 10.000 empresas - destas, apenas metade completa o quarto ano de vida. Além de dados estatísticos, outras informações bem interessantes pontuam o texto, como o "mapa da mina" de toda empresa bem-sucedida, de uma pizzaria de bairro a uma grande multinacional.  Pra quem, como eu, curte ouvir histórias de sucesso e dificuldades dos mais diversos segmentos, há relatos de empreendedores, que  dividem experiências criativas com algumas dicas preciosas:

1. Não tenha medo de assumir riscos;
2. não tente fazer tudo sozinho;
3. inovação, sem gestão, não garante o sucesso;
4. pesquise a fundo a concorrência;
5. fique atento às novidades do mercado;
6. não se prenda a uma única ideia;
7. planeje para voar mais alto;
8. trace metas e seja competitivo;
9. descubra uma necessidade - e saiba preenchê-la;
10. fazer direito vale a pena.

A revista está nas bancas... e tia Linha curtiu!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

tia Linha por aqui!



Esse post é pra quem manda emails e pede os textos de tia Linha -  hoje ela chega por aqui, fazendo alguns "rabiscos" sobre pequenos segredinhos do dia-a-dia.

Outro dia assisti um empreendedor numa entrevista muito bacana. Curto escutar relatos e situações alheias; penso que, independente do tamanho do nosso negócio, saber que o próximo pode passar pelas mesmas dificuldades que a gente é bem interessante, e move nosso desejo em prosperar.

O que acontece é que o cara saiu literalmente do nada, montou seu pequeno negócio e hoje é um case de super sucesso! Obviamente que nada caiu no seu colo de presente, o que me faz pensar que houve muita "ralação" nessa trajetória profissional. E sabe quais são as três palavras-chave de seu dia a dia? humildade, curiosidade e disciplina. Isso mesmo, gente, três simples e poderosas palavrinhas regem sua vida!

O interessante é que são palavras necessárias a qq tipo de negócio, seja um comércio,  um pequeno ateliê, ou (talvez o mais importante) sua vida e seus relacionamentos!

Humildade não é, como muitos pensam, uma tarefa fácil. Aliada à gratidão, talvez se enquadre nas atitudes mais escassas do mundo moderno. Seja  uma pessoa simples e tenha certeza - o mundo conspira a seu favor! (vai dizer que não é encantador se relacionar com quem exala simplicidade de maneira espontânea?

Curiosidade é um sentimento que nos move, empurra nossos dias adiante. Toda e qq situação de comodidade não é proveitosa em  processos criativos, o que não significa que vc tenha de sair "patrolando" tudo e todos que vê pela frente, ignorando simples regrinhas de caráter, entre elas  o bom senso. Seja curioso; leia,  pesquise, procure, troque ideias, discuta e usufrua de consequências positivas!

Disciplina é, sem dúvida, uma palavra tão importante quanto as demais. Atire a primeira pedra quem, num dia exaustivo, não pensa em deixar as tarefas pendentes para depois! A procrastinação é encantadora nesses casos, e, sinceramente, admiro os disciplinados que fazem de suas  regras corriqueiras uma forma de viver melhor.  Aqui vale o exercício de uma simples listinha de "tarefas a fazer", e seguí-las à risca pode estar entre suas metas diárias, o que facilitará sua vida a médio e longo prazo!

Que tal "refletirmos sobre" ???? Tia Linha curtiu!

(atenção leitores e leitoras de plantão, escreva para tia Linha,  partilhe suas experiências, ou sugira temas para futuros posts; suas ideias serão sempre bem vindas!)

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

tem lugastal na Magazine Anne!!!



Porto Alegre guarda tantos cantinhos especiais que viver aqui é estar sempre descobrindo. Pois numa casinha, lá no bairro Auxiliadora há quem exercite a felicidade. Sim, porque o sorriso de satisfação da advogada Luciana Gastal, que largou a profissão e voltou à terra denuncia as várias possilidades que temos de buscar o que nos dá prazer.

Luciana realizou a lugastal, uma loja para quem gosta, quer aprender ou trabalha com a arte da costura, crafts para uns, ou artesãos para os mais românticos. Patchwork é o que comanda por lá, mas não é só isso. A arte de juntar retalhos e fazer uma história com tecidos, linha e agulha foi além. A loja tem um pouco mais de um ano, e já está pequena para tanta atividade, se bem que a Lu reforçou a ideia de que a proposta é essa mesma, um lugar pequeno mas com uma imensidão de possiblidades.

Lá não é nada arrumadinho, olha para um lado e encontra uma infinidade de padronagens, olha para o outro e vê uma cortina de fuxicos, olha para cima e vê passarinhos de pano em gaiolas; caminha mais um pouquinho e esbarra numa máquina de costura antigo. Enche os olhos e o coração!

Aliás, Luciana herdou o gosto pela costura, pois seu avô Rodolfo Carlos Neumann era alfaiate lá no interior de Santa Cruz do Sul - Sinimbú. Motivo de orgulho é o balcão onde corta os tecidos, que era da alfaiataria do seu avô. A família está presente em tudo; trabalha com a irmã, que faz a parte administrativa, tem duas filhas e faz de seu trabalho um ponto de encontro de amizades. Ela não pára, enquanto conversávamos, preparou um chimarrão, combinou pelo telefone a ida da filha para uma atividade escolar, atendeu clientes, recebeu alunas e flores! Sim, uma cliente buzinou e pela janela do carro entregou um bouquet de orquídeas - simples assim, que ela imediatamente colocou na vitrine como decoração.

Sabe a música da Emília do Sítio do Pica-Pau Amarelo? "De uma caixa de costura, pano, linha e agulha, nasceu uma menina valente, Emília, a boneca gente". Se encaixa direitinho no perfil de Luciana.

Além do material de costura, ainda há cursos e atividades pela loja, como o Clube do Pano, que é uma espécie de clube virtual, onde a associação vale um kit de tecidos por mês, depois são expostos trabalhos feitos na internet através de fotos; também tem sorteios e trocas de informações. O clube está no blog, que também é uma atividade efusiva da marca Lu Gastal (www.lugastal.com.br).

É um mundo de criatividade! No blog também têm textos sobre gestão de negócios, ilustrado por Tia Linha, uma personagem do imaginário de Lu, que fala sobre negócios, empreendimentos e marketing. Muito legal! Mas o que mais chama atenção no trabalho de Luciana é a valorização do artesanato, do feito a mão, da criatividade, das possibilidades do ser humano, das trocas e do afeto, ter paixão pelo que faz.

Os cursos acontecem com horários marcados, na parte de cima da loja, e tem vários, basta acompanhar o blog e escolher por onde você quer começar ou continuar no mundo da costura. Uma tradição milenar, passada de mães para filhas e que nunca vai terminar! Ah, se você for lá, visite o banheiro, tem um aquário inusitado lá... o mais lindo que já vi!!!!

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

os riscos divertidos de Loralie Designs


Seus desenhos são extremamente divertidos, repletos de traços criativamente coloridos, fazendo menção à caricatas figuras e seus mundos. Com diversas coleções inspirados em variados ambientes (linha praia, verão, costureiras, mulheres "frutas", combate ao câncer de mama, profissionais de saúde, cozinheiros, etc), Loralie é, sem dúvida, um ícone de inovação, materializando seus projetos em tecidos, programas para bordados, impressos, carimbos. Um trabalho admiravelmente não convencional!

Não é de hoje que aprecio seus riscos; em 2009 fiz um grande painel em quilt com mulheres fantasiadas de maçã, pera, banana, laranja, uva... uma verdadeira e divertida salada de frutas, que até hoje decora o ateliê da Casa Quilt, em Brasília. Já postei gravuras no flickr, e desde o início de 2011 as clientes lugastal têm acesso aos diversos tecidos, vendidos em pedaços que medem 0,30 X 050 ou em pequenos blocos para aplicação em bolsas, necessaires e onde mais sua imaginação permitir.


Loralie, tal qual seus desenhos, é a tradução da simpatia!



Os blocos desse painel, com figuras de costureiras e seus diversos estilos, estão disponíveis na loja!
 Escreva para lugastal@lugastal.com.br e adquira os seus!


p.s: vcs já curtiram o festival de Houston no post Craft, patchwork & Texas?

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

crafts, patchwork & christmas in Texas!





Foi, sem em dúvida, uma primeira vez memorável; depois de conferir várias vezes se os documentos estavam ok, saí cedinho com a mala numa mão e passaporte na outra. De coração apertado, bati a porta sem olhar para trás, a vontade de levar alguém da família comigo era enorme! Algumas horas e a certeza de que essa seria, sim, minha primeira viagem internacional “em minha companhia”!

Em São Paulo, um encontro marcado de um grupo com o mesmo intuito – viajar até Houston – Texas, para conferir de perto o que há de melhor no mundo do patchwork americano. Se houvesse turbulência no vôo, nenhuma mão familiar para ser segurada, éramos apenas conhecidos, mas logo os relacionamentos se estreitaram! Do desembarque no imenso aeroporto até o breakfast numa parada a caminho do hotel –  ali formalmente nos apresentamos uns aos outros, com muita expectativa e a certeza de que os próximos dias seriam intensos!

Dias ensolarados, de vento e temperatura gostosa foram ideais para nossas descobertas na terra dos cowboys; passeios rápidos em outlets, shoppings, lojas especializadas em artesanato e um dia inteiro dedicado à vizinha Old Town Spring, cidade de estilo vitoriano e visual pitoresco, cheia de pequenas lojas com mercadorias nada comuns, restaurantes, cafés, galerias de arte. A sensação era extremamente nostálgica, remetendo à arquitetura de quase dois séculos atrás, além de avisos de que o Natal literalmente já chegara por lá! Mas o propósito da “craft expedição” era o International Quilt Festival, sem dúvida dos maiores eventos do patchwork em território americano.

Mais de 900 expositores dividiram o imenso centro de convenções em compridos corredores, devidamente numerados e organizados. Para não se perder, bastava um bloquinho de anotações, caneta e disposição em apreciar a diversidade de propostas que lá foram apresentadas. Cores, estilos e sugestões para, literalmente, todos os gostos!

Já ouvira falar que fotos não eram desejadas entre os expositores, e evitando correr o risco de não conseguir dividir com vocês aqueles momentos, preparei um breve press kit lugastal (informações detalhadas de postagens, origem de tráfego, público, etc, além de matérias publicadas), o que me garantiu um media credential, possibilitando fotos consentidas e sem estress do que vi de mais bacana por lá. A estrutura de apoio para revistas e blogs contava ainda com um café quentinho e biscoitos calóricos e gostosos, que davam ânimo no decorrer de tantas horas caminhadas entre os corredores. A partir dali nosso grupo se fracionou; cada um seguia seu próprio caminho conforme seus interesses, mas à noite sempre achávamos uma forma de nos reunirmos ao redor de uma mesa para lanchar e partilhar as novidades!

Obrigada ao grupo com quem dividi a viagem, à equipe Ateliê com vc (valeu, Dotan, pela constante paciência num grupo predominantemente feminino!!!) e às brasileiras conterrâneas que encontrei por lá, pelos abraços recebidos e certeza de que valia a pena toda a saudade de casa! Um agradecimento também à minha compreensiva família e aos amigos queridos que torceram para que a viagem desse super certo!

O vídeo, preparado com muitíssimo carinho, ao som de Adele (valeu Ju, adorei o cd!!!), convida leitores lugastal a passearem um pouquinho conosco! E um último detalhe a ser comentado: nossos festivais nacionais também são muito bacanas!!!



(pra não acharem que não pensei em vocês, trouxe um presentinho muito “Houston patchwork” para sortear entre quem comentar no blog e facebook... até 20 de novembro. Tá valendo!)

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

arroz de leite

Aos 17 anos de idade, fui "coroada" rainha do arroz. Sim, acreditem, é verdade! Atire a primeira pedra quem não tem uma breve história no estilo "meu-passado-me-condena" pra contar aos filhos! Pois eu tenho  várias!! De 4 em 4 anos, Cachoeira do Sul elegia a sua rainha e princesas, que representariam a cidade até a próxima edição. Havia dois bailes, um da escolha das "soberanas" (ai que termo mais antigo), e dali 6 meses, o baile de coroação. Festas divertidas e glamourosas, frequentadas por filhos, pais, avós, e  quem já tinha ido embora da cidade para estudar fora sempre dava um jeitinho voltar para prestigiar - diversão garantida. Naquele período viajamos muito, em todos os lugares por onde passamos sempre fomos recebidas com muito carinho, desde famílias mais simples nas cidades que visitamos, até locais e eventos mais formais. Mas há uma peculiaridade que trago na memória: a sobremesa oferecida era sempre arroz de leite (ou arroz doce, como chamam em vários estados brasileiros).

A química resultante do arroz fervido no leite, servido com canela em pó, me era verdadeiramente gostosa desde a infância, mas com o passar do tempo ficou enjoativa (talvez até entenda o motivo!!!).

Algum tempo atrás li uma receita de arroz doce no blog Quitandoca, e, rindo sozinha, contei à Glau o espisódio da adolescência. Ela, além de dar risadas,  pediu pra ver fotos. É claro que  não mostrei (em comum com aquele tempo só o cabelo curto, pois a pele de menina também já é passado), mas mesmo assim ganhei um presente especial num de nossos encontros: um potinho com arroz de leite! Estávamos num dia de trabalho, quando lá pelas tantas fugi uns minutos para apreciar meu presente!!!! 


Os anos passam e precisamos entender as mudanças que nos são impostas! Os concursos de modelo tomaram o glamour dos demais; o cabelo pede tinta, os olhos pedem creme anti-rugas; além do resgate de lembranças que nos foram importantes. Hoje voltei a gostar de arroz de leite, e confesso que curti meu presente bem quietinha, pra não precisar dividir com ninguém! risos... (além dos amigos queridos que trago daquela época, tenho vestido exposto no museu municipal da cidade, para risadas e  diversão geral das minhas filhas, quando por lá passam!!!)

(saudade da Renata, Cerê, Silvana e Magda - minhas parceiras naquela aventura!)

 

p.s: hoje li novamente uma receitinha de arroz doce lá no Quitandoca, e lembrei dessas fotos que, junto com a sobremesa, ganhei da Glau! (dispensados comentários sobre efeitos da ação do tempo!!!!)


quarta-feira, 19 de outubro de 2011

flores, pássaros e (muito) amor!

Nessa época do ano, no maior sinal de que chegou a primavera, o sabiá começa a cantar antes mesmo do amanhecer, enquanto fico naquele dorme-acorda-dorme de novo até que o despertador finalmente toque! 





terça-feira, 18 de outubro de 2011

café, blogueiras & dois bebês - um post escrito a várias mãos!

Para as seis, aquele seria um despretensioso fim de tarde na capital federal. Para mim, um momento esperado há muito tempo, regado a nostalgia e a expectativa do reencontro. Não sabia exatamente quem iria; assim, bem antes do horário marcado fui para o Labbeca Café, onde seria o batencontro (ops... um blogencontro). Meu coração já estava apertado, o dia seguinte seria hora de partir, e senti uma vontade intensa de “só mais um pouquinho”; ainda queria passar mais algumas vezes pela ponte JK, pela Esplanada dos Ministérios, beijar, conversar  e abraçar mais um pouquinho quem me faz falta, tomar mais (muitos mais) cafés. Nem a chuvinha que caiu em Brasília poderia me incomodar!

Pouco a pouco elas foram chegando... Vivi, trazendo Alice na barriga; Ruby, Trícia, Glau, Helena, e, por último, Hyasmine, acompanhada da pequena Helena, que chegará nos próximos dias.
Lu



Mineiro é um pouco (muito) desconfiado! Confesso que, 10 minutos antes de sair de casa para nosso encontrinho delícia, verifiquei meu e-mail para ver se ainda estava de pé!... hihihi! E estava, como estava... O endereço escolhido no lago sul me deixou bastante animada e ansiosa. Animada, pois adoro o Lago Sul e ansiosa, porque iria encontrar com pessoas que admiro demais. As horas passaram rápido e o papo não tinha fim, muitos assuntos em comum e algumas histórias para contar. Dizer que gostei do nosso final de tarde é pouco... ameiiii mesmo e torço para repertirmos a dose muitas e muitas vezes.
Beijos da Ruby



Após trocarmos alguns emails ficou decidido o local do encontro. Confesso que achei meio longe... Apesar de morar em Brasília há décadas ainda não me acostumei com as distâncias. E eu teria que "andar" quase 30 km até o destino final. Mas eu não perderia esse encontro, jamais! E lá fui eu toda feliz pra rever pessoas tão queridas... O papo foi bem animado e as horas passaram muito rápido, quase fomos convidadas a deixar o local, as garçonetes queriam fechar o bistrô e nós ainda trocávamos figurinhas. Depois de tudo ficou a lição: Não há distância  capaz de separar uma amizade sincera! 
Tricia



Faltando apenas 3 semanas, no máximo, para o nascimento da minha primeira filha, recebo uma mensagem da Lu, que não achava mais ser possível antes da tão esperada hora: “Querida amiga… segunda estarei ai. Passa teu telefone, te ligo‼ Obaaaaa‼!” Apesar da dificuldade que tive para comparecer ao local marcado, reencontrar  e encontrar pessoas queridas faz tudo parecer tão fácil. O abraço gostoso de quem não vemos há muito tempo, as palavras de experiência de quem já passou pelo que estamos prestes a passar e a conversa gostosa e interessante daquela tarde me relaxaram e me deram a energia que precisava para diminuir a minha ansiedade de finalmente ser mãe. Obrigada meninas, adorei o nosso fim de tarde!
Hyasmine



Quando estava indo pro Labecca lembrei de 2 anos e meio atrás, quando me mudei pra Brasília.. eu conhecia pouquíssimas pessoas na cidade nova e aos poucos fui me inserindo em grupos de discussão de artesanato até que conheci um grupinho de arteiras que dividem a mesma paixão: linhas, tecidos e agulhas (eu sou a única que fica perdidinha nestes assuntos! Não entendo nada de costura). Passados alguns anos, já não me sentia insegura de ir num encontro e o friozinho na barriga era de alegria de rever aquelas arteiras que se tornaram grandes amigas. 
glau


quitandoca fotografia 
 
Os sucos, sanduíches e doces do café eram verdadeiramente um capricho. A apresentação do lugar, os detalhes (que eu tanto adoro) me fizeram sair com vontade de voltar. As meninas seguiram por lá mais tempo, infelizmente pra mim era hora de partir. Naquele misto de "vontade de ficar um pouquinho mais" com "já está chegando a hora de ir", segui de carro, em silêncio, atenta na lua que brilhava no lago Paranoá.
 

sábado, 15 de outubro de 2011

aos meus!!!


Até os 11 anos, fui uma aluna exemplar; tirava "ótimo" nos boletins e ganhava um livrinho de presente no colégio, todo final de ano. Porém, lembro de uma reclamação de professoras, desde a 1ª série até o 3º ano do 2º grau (sim, fiz parte do sistema antigo de educação, em que nem se falava em ensino médio e  fundamental!) = eu conversava demais, obviamente atrapalhando os colegas.

Na adolescência  a situação mudou, passei a ser uma aluna, digamos... mediana; estudava o necessário. Tropeços no caminho, puxões de orelha em casa, e na universidade consegui retomar a seriedade dos estudos, embora também nunca tenha sido uma aluna nota 10 nas disciplinas.

Nesse longo caminho, entre todo o aprendizado, meu legado principal foram os relacionamentos - e até hoje tenho contato com pessoas que me foram importantes nas diferentes fases de vida escolar e universitária. Trago comigo a lembrança de alguns professores que fizeram parte de minha formação, embora nunca mais os tenha visto, e faço questão de manter contato com aqueles que ainda tenho por perto, principalmente em tempos virtuais!

Lembro com carinho da professora de português, que "caiu de paraquedas" no colégio, e sofreu um super resistência por parte da gurizada (e nem se falava em bulling), incusive de mim - dias depois passei a curtir demais os momentos em sua companhia; lembro das profes de violão e biologia, que insistiam em dizer "tu nem parece irmã da ... - minha irmã que era exímia aluna" - e eu odiava as comparações! Lembro de já "moça", estudante de direito, ser surpreendida chorando compulsivamente agachada num corredor da universidade católica pelo professor de direito tributário, depois de ter ido mal numa prova - sem imaginar que com ele dividiria os próximos 10 anos  de trabalho no seu escritório de advocacia. (outro dia ainda mandei uma revista com publicação do meu trabalho para ele, com dedicatória "querido mestre, talvez assim eu consiga explicar qual minha atividade profissional de  hoje!").

E é pra todos eles que escrevo esse post de hoje! Sei que presentear professores com uma maçã bem vermelhinha já é totalmente OUT, mas não sou "costurada"  a modismos, e essa espontainedade faz parte de mim!

p.s: lá em casa temos muito carinho e respeito pelos professores das nossas filhas, com quem dividimos a educação e formação de caráter do que temos de mais precioso.
À vocês, meus queridos, um grande e apertado abraço!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

sábado, 8 de outubro de 2011

Lucy's & pompons!

Enganou-se quem pensou que a vitrine lugastal para crianças se limitaria aos palhaços lindos - há também uma linha de bonecas super charmosas, as Lucy's!

Criadas pela mãe das Anitas (vocês lembram delas aqui, né?!!!!) - AP Cavalari, tenho a impressão que chegaram para colorir ainda mais nossos dias!

E para receber essa galerinha, a vitrine ficou repleta de pompons e fitas coloridas, além da minhas mini máquinas de costura!







Falando em Lucys,  deu saudade de ouvir Beatles!!