domingo, 26 de setembro de 2010

inspirações...

       Num ritmo frenético de trabalho, totalmente absorvida nos preparativos para o festival brasileiro de quilt e patchwork, que acontecerá na primeira semana de outubro, em Gramado, me permiti  momentos especiais nesse fim-de-semana.
       Atrasadíssima, depois de quase um ano após o lançamento, foi minha vez de assistir com o marido o de-li-ci-o-so filme Julie & Julia. Momento "pantufas & sofá", daqueles que o cartão de crédito não paga. Filme gostoso, cenas divertidas. Por momentos me vi no papel de Julia, colocando o despertador para cumprir o compromisso com as seguidoras do blog, para mantê-lo em dia!

      Tive a alegria de conhecer uma réplica da cozinha vintage de Julia, no ano passado, no museu Smithsonian, em Washington, com retoques retrôs e mesa/bancada maiores do que os convencionais (Julia era uma mulher tamanho GG). Talvez eu até me identifique  com aquele estilo "espaçosa", por excesso de tamanho!


Mas como culinária não é a minha praia... e continuando  os programinhas bons do fim-de-semana, domingo foi dia de um passeio familiar à livraria Cultura. Programa dominical melhor não há! Além de encontrar duas amigas queridas que por lá bisbilhotavam, como eu, as novidades craft, ganhei de presente (dia das crianças... uhu!) a nova enciclopédia de costura de Martha Stewart, minha referência e inspiração do mundo craft!


Martha Stewart é "a Julia" da minha modesta vida de blogueira e crafteira. São seus  trabalhos e criações que me inspiram! As ideias simples, as cores e a explosão de criatividade nas fotos de suas publicações fazem valer a pena cada página de seus livros. Prá quem não tiver acesso às edições, fica a dica: o site é bacanérrimo e atual!

P.s: amanhã é segunda-feira... longe de ser o dia mais animado da semana.... mas não há como escapar!
Uma boa semana prá  todos nós!!! 

domingo, 12 de setembro de 2010

O cuidado para encantar!

Alinhavo a coluna dessa semana falando sobre o CUIDADO. Recorri ao dicionário, em busca de explicar o por quê escolhi essa palavra, mas confesso que não achei uma tradução perfeita. Dentre tantas atribuções que a mesma recebe, na minha concepção a união dessas 7 letras significa carinho, um "olhar especial". E é sobre esse "olhar", "zelar", "cuidar", que escrevo o Alinhavos & Gestão dessa semana.
Qual consumidor não gosta de chegar num lugar e sentir que o ambiente foi preparado, organizado, arrumado prá recebê-lo?  Um detalhe, um aroma, ou mesmo uma boa organização faz bem, e é sinônimo de cuidado, carinho e atenção, além de renovar as energias do ambiente. Nesse sentido, busco constantemente manter a loja arrumadinha, tarefa que às vezes é difícil, pois são muitas peças pequenas.
Têm dias que, depois de fechar as portas da loja, pego uma cadeira, coloco num lugar estratégico (preferencialmente para um ângulo que nunca olhei), sento e fico observando. Ali, em silêncio, espero brotar alguma idéia prá modificar ou reorganizar. Às vezes nenhuma idéia aparece, mas aquele instante me faz bem!Esse é meu cuidado, minha preocupação em surpreender as pessoas com novidades. E a inovação, no meu entender, faz parte da gestão do meu pequeno negócio.

Como o espaço físico da loja é limitado, não posso deixá-la sempre com o mesmo jeito, senão as clientes perderão a vontade de frequentá-la! Gosto de mudar as peças de lugar, perfumar, recolocar! Mas um cuidado bem especial é sempre dispendido à vitrine!
Pequeninha, ela é o cartão de visitas! Meu intuito é que, quem passe na frente, tenha vontade de entrar!  Para isso, busco mantê-la sempre mimosa, colorida e, mais ou menos de duas a três semanas, com jeito diferente!
Na inauguração, coloquei um armário antigo, que está comigo desde a época da universidade. A Lisi se encarregou de pintá-lo, pois estava feioso depois de tantas mudanças. Como era mês dos namorados, montei uma vitrine alusiva ao amor, com corações e cores quentes, e a máquina de costura do meu avô.


Em seguida, foi época de torcer pelo Brasil na Copa do Mundo. Momento de preparar uma vitrine verde-amarela!

Aí o Brasil saiu da Copa, e foi o momento de montar uma "feira livre", afinal, as frutas & vegetais LuGastal são lindos e fazem o maior sucesso!
 

Depois das maçãs, bananas, laranjas, beringelas, chuchus, alhos, cebolas, beterrabas e abóboras decorarem a vitrine, foi momento de dar uma "mexida" geral na loja, e isso foi feito numa sexta-feira, para receber minha amiga Rosana Becker, que chegava de Doha. E nada melhor do que arrumar a casa para receber as visitas especiais! No meio da bagunça, eis que a visitante chegou, e me surpreendeu com a loja de pernas para o ar! Mas no dia seguinte tudo estava arrumadinho.O armário foi para a cozinha, o pequeno armário da cozinha foi para a loja, e aquele foi o momento de uma vitrine mais romântica, com as calcinhas e seus babadinhos divertidos, frutos da parceria Laurina & LuGastal.
  
                                           

    Depois, foi a vez do piquenique, e a vitrine recebeu tecidos xadrez, margaridas, cestas de vime e acessórios para um domingão de sol!


"Pós piquenique", pensei numa vitrine que encantasse as clientes costureiras e crafteiras, para o lançamento dos fat quarters de tecido importado na loja. A vitrine foi transformada num mini ateliê, com direito à retalhinhos, bonecas, abajour com tecido temático e outros detalhes, e a máquina de costura que decorou dessa vez foi herança da minha bisa.

                      

A vitrine estava super alto astral, e não pretendia mudá-la tão cedo. Eis que na última quinta-feira tive um encontro relâmpago com a queridona Ana Tuyama, que passou pela capital gaúcha e trouxe lindos e cheirosos cupcakes alfineteiros. No sábado, havíamos programado o Cupcake Day... e não resisti; aquela era a hora de trocar o visual, prá esperar as clientes com a surpresa de um visual novo!
Confesso que mexer no fogão a lenha (que garimpei na casa da minha sogra) me sequelou com uma dor nas costas que não quer me abandonar (coisas de gente jovem!!!!); sua beleza é proporcional ao seu peso. Mas o resultado foi ótimo, e nossa "cupcake kitchen" está fofíssima!
Prá não quebrar a rotina, o sábado amanheceu chuvoso, mas prometo mostrar fotos mais bacanas da vitrine nova! 


Assim, deixo essa semana mais um detalhe que faz parte da loja. E sigo trabalhando em busca de encantar quem por lá passa!



quinta-feira, 2 de setembro de 2010

ZH Moinhos

                                    

                                     

Na seção O Nome, Lu Gastal e seu “ateliê de manualidades”

Ela trocou os tribunais por linhas, botões e uma máquina de costura. Deixou o lago norte, em Brasília, para morar no bairro Auxiliadora, em Porto Alegre. Desde fevereiro, Luciana Kaempf Gastal - ou Lu Gastal, como é conhecida- vive com o marido, Claudio Leite Gastal, 42 anos, e com as filhas Laura e Luisa, 12 e 9 anos, na Marquês do Pombal.
Nascida em Cachoeira do Sul, morou oito anos no Distrito Federal, onde atuava como advogada em uma empresa de saúde suplementar. Não mantinha relação com Porto Alegre até ter de se mudar em função da profissão do marido, no começo deste ano. E foi nos limites do Auxiliadora com o Moinhos que ela teve coragem para realizar um sonho: abrir um negócio em que são vendidos objetos produzidos artesanalmente e ministrados cursos e oficinas de patchwok, de arte em tecido e de craft (costura para leigos). Uma "loja de manualidades", como ela descreve.
Filha de um pecuarista e de uma dona de casa, Lu é neta de alfaiate. Talvez daí venha a habilidade descoberta quase que por acaso, após o nascimento da primeira filha. Quando a menina fez dois anos, a mãe resolveu produzir bonecas de pano para decorar a festa de aniversário. De lá prá cá, participou de cursos e aprimorou a criatividade. Quando se mudou para Brasília, fez carteira de artesã e passou a expor em feiras. Hoje, orgulha-se de ter trabalhos em diferentes cantos do Brasil. Ainda no Distrito Federal, o hobby foi sendo encarado com trabalho, desempenhado nos feriados e finais de semana: "Eu não tinha coragem de largar o emprego. Aqui em Porto Alegre, a preocupação em deixar a carreira foi substituída. A gente tem de fazer o que realmente gosta. Esse é o segredo para viver bem".
A loja, na Eudoro Berlink, ajudou a conhecer gente nova. "A cliente vem uma vez, e quando vem a segunda já fica prá um papo e chimarrão" - diz.
Um exemplo é a artista plástica Sonia Bolduan, 50 anos, moradora da Zona Norte. Assídua frequentadora do ateliê, também se mostra uma fã:
- Leio tudo o que a Lu escreve - conta, referindo-se ao http://www.lugastal.com.br/.
Com tamanha receptividade, ficou fácil a adaptação. Hoje, Lu se diz apaixonada pela região que escolheu para morar e trabalhar. Na lista de elogios sobre o lugar, estão a arborização e as características que lembram o interior. Há casas com cadeiras de balanço nas varandas - comenta.
A família costuma fazer diferentes programas pela região - de piquenique no Parcão a cinema no Moinhos Shopping.
- "O ZH Moinhos foi uma referência, com dicas de restaurantes e um lugar legal para ir no final de semana".