sexta-feira, 1 de maio de 2009

a paciência do processo



Em tudo o que fazemos, há um ritual a ser seguido. Com o artesanato não é diferente.

Em diversos momentos, tive vontade de explicar à pessoas que pegam uma peça e reclamam do preço, ou fazem cara de espanto. Lembrei de um fato ocorrido há alguns anos atrás... depois de um dia inteirinho de trabalho numa feira barulhenta, num estande nada confortável, deixando as meninas pequenas em casa com o pai, com dor de dente e já num momento de extremo cansaço, tomei a peça das mãos de uma senhora, e, num rompante de delicadeza zero, ao ouví-la reclamando que um papai noel de 10 cm custava R$ 15,00,imediatamente sugeri, sem rodeios, que a mesma buscasse coisinhas baratas na feirinha do paraguai (um mundo de 1,99 e produtos made in china que existe aqui em Brasília - ponto turístico inclusive). Ouvir aquela pessoa reclamando do valor me fez sentir uma falta de paciência anormal, e tirar meu lindo e pequeno noel da sua mão foi a atitude que mais me alegrou naquele dia.
Mal sabia ela quantas vezes aquele pequeno papai noel havia passado carinhosamente pelas minhas mãos, para ser adquirido por alguém que não valoriza uma peça artesanal. (confesso, não gosto de vender artesanato a quem não valoriza).

E sobre isso escrevo hoje, sobre o processo de fazer uma peça artesanal. Seja ela em cerâmica, tecido, cabaça, madeira, produto reciclado, etc etc etc, recebe minunciosamente o carinho e paciência de quem o faz. Num primeiro momento, o pensar, a idéia e visão do que será aquela peça quando pronta estiver. Como trabalho com tecido, é sobre ele que posso citar. Dou um exemplo do que foi feito essa semana.

Pensei em broches com flores, pois o dia das mães se aproxima, e sempre participo da Feira Botânica, no shopping CasaPark. Por isso as flores se encaixariam ao momento. Uma "segunda edição", pois a primeira já foi esgotada no início de março, quando aprendi a bordar.
Como agora farei mais unidades, tive o auxílio de minha professora de bordado. As mandalas foram minunciosamente bordadas por bordadeiras que moram nos quatro cantos da capital. O tecido foi previamente lavado, passado; a mandala riscada, para, então, ser bordada e ter vida com a mistura das cores.
Depois, cortei uma a uma. Espalhadas em minha mesa de trabalho, fiquei nada menos do que umas 9 horas misturando outras mandalas em algodão, em cores variadas que ficassem legais às utilizadas no bordado. Repetição de processo: lavar o tecido, passar, e cortá-lo em diferentes tamanhos de mandalas, para então fazer a união de cores e estilo. Xadrez, floral, liso, essa cor combina com aquela???
Depois achei que um círculo em jeans também ficaria legal, e lá saí atrás de retalhos de jeans (até minha velha e surrada calça ellus entrou na história, e as pernas que já não serviam viraram muiiiiiiiiiiitas mandalas, o que significa que cada mandala tem uma história, pq um jeans muito usado tem sempre o que contar!).
Cortados com cortador circular, aparados com tesoura, cada mandala é montada... e vai tomando forma. O próximo passo é costurar uma a uma. Separar as cores, as linhas, sentar com muita paciêcia e costurar sem parar. Já cortados os restos de linha, bordo novamente as mandalas, finalizando o trabalho de forma harmoniosa. Ainda não estão prontas! Falta aplicar o alfinete e torná-las broches! Para finalizar, uma embalagem dá o toque! Um saco de celofane e um tag. Pronto, já acabou! risos...

Não deverei vendê-la a um preço superior a R$ 13,00. Quem achar caro, por favor, NÃO ME FALE!!!! Apenas pense, mas não me fale! Senão vou brigar! kkkkkkkkkkkkkkk

Quem compra não imagina quanta paciência requer o processo de fazê-la, até estar linda e colorida, pronta para ser presenteada ou adquirida!
O que me alegra mesmo é ver alguém na rua usando uma das peças, na camisa, na bolsa, na jaqueta!
Quem faz qualquer coisa artesanal vai entender o que aqui escrevi. E só valoriza quem entende.
Prá quem não valoriza, um made in china também cai bem!

15 comentários:

arte em casa disse...

Oi amiga arteira
Concordo contigo!!!
Tanto carinho aplicado em cada detalhe...
Só pessoas com sensibilidade percebem isso...
Bjxxx
Drix Pires

Carlinha disse...

Lu! como entendo! como entendo! Ü

luciane disse...

Eu acho que você deveria cobrar mais. São lindos!!!
Eu adoro bordados, mas eles não vão sozinhos, termina o risco vem a parte trabalhosa de descobrir onde inserir aquele trabalho, almofada, broche, toalha... e lá se vão outras tantas horas de trabalho!
Mas a respeito da valorização do artesanato eu sempre me lembro da minha sogra que pagou R$ 700,00 em uma colcha de casal feita em patch e a família toda ficou horrorizada... (ela achou justo) e eu pensava: eu sei o quanto demora para fazer uma colcha destas, o carinho, o capricho, horas sentada fazendo o quilt... aquela colcha valia ao menos o dobro do preço cobrado para valer a pena o esforço.
Mas isso só entende quem valoriza o carinho e a dedicação do artesão. Quem só quer saber de mais um papai noel na estante certamente vai comparar o preço com o 1,99 e achar caro...
O triste é ver a depreciação do artesanato por quem FAZ artesanato... mas isso já é outra história!
Parabéns pelo seu trabalho, se Curitiba não fosse tão longe de BSB certamente estaria na feira arrematando alguns broches, AMEI.
Beijos

pcpriscila disse...

Lu, é por isso que não consigo vender minhas peças..faço pra amigos, família, dou de presente, fico com ela pra mim ou guardo no armário, não consigo vender! Pq quando começo a calcular quantas horas investi, incluindo planejamento e embalagem, compra da matéria prima ( cujo preço, às vezes é insignificante!)não dá prá colocar um preço....

Arte da Luluzinha disse...

Por aqui as coisas não são diferentes, mas o bom é que ainda existem muitas outras pessoas que valorizam e até nos motivam a fazer mais e mais.
Beijinhos Lu e continuação de trabalhos lindos.

Katita disse...

Lu, concordo contigo em gênero, número e grau.
Eu não ando fazendo minhas manualidades por falta de tempo, mas quando vou a uma feira, penso exatamente como tu descreveste. O artesanato DEVE ser valorizado, dá trabalho e deve ter preço justo, não só pelo olhar do consumidor, mas pelo esfrço e dedicação do artesão. Tem gente que paga uma fortuna por uma etiquetinha de marca e esquece de valorizar que o artesanato, tem um único ingrediente, o amor!

Eu sempre comento também que

mara disse...

oi lú! se é que posso te chamar assim com essa intimidade! é que já algum tempinho acompanho teu maravilhoso trabalho, inclusive add vc no meu blog e fico por aqui discretamente só admirando! e olha, eu concordo contigo, pq não tem coisa mais desagradavel , do que uma pessoa não valorizar algo que vc colocou tanto carinho ao fazer!acontece muito comigo , e olha sou só uma iniciante!

Mônica Maflé disse...

Querida Lu,
Concordo em gênero, número e grau...
Infelizmente isso acontece demais.Se a pessoa acha que o trabalho artesanal é fácil de fazer, tipo varinha de condão - vc imagina e plim!!! Tá pronto - nem deveriam ir a uma exposição de artesanatos. Não sabe fazer, não tem paciência, e ainda quer de graça, põe preço e defeitos... Eu também tenho ódio disso. Quando li o seu post...me vi no seu lugar. Acontece demais, e o pior pra mim, é quando a pessoa é sua amiga, e não entende nada de trabalhos manuais, e fica dando palpite, meio que colocando defeitos...putz... meu sangue ferve...
Ainda bem que existem ainda algumas pessoas com sensibilidade e bom gosto pra comprar e admirar nossos trabalhos...
E vamos em frente..

Vanessa Maurer disse...

A amiga, certas coisas temos que fazer ouvido de mercador... ninguém merece ouvir certas coisas... mas ainda bem que você entende, ou seja, sabe que essas pessoas que falam o vem na cabeça, que só pensam em números, não tem a mínima idéia do processo fabril... só de pensar que além de você, outras pessoas geram renda através das suas vendas, já deixaria muita gente quieta...

Andrea Jardim disse...

Tirou as palavras da minha boca!
Tem hora que dá nos nervos essa comparação artesanto x made in china...um dia fiquei tão pau com alguém que questionou o preço de um dos meus chapéus, que por aí comprou por 10 reais o que vendo por 30 ,40. Eu peguei o made in china que tenho na manga dei pra pessoa e falei : compara ! SE vc achar que o made tem a mesma qualidade que o meu vc leva pelo mesmo preço! Não levou...
E a valorização tem que partir d gnte que sabe quanto trbalho deu desde a concepcção...

Lau disse...

Lu,

Assino embaixo! Infelizmente as pessoas nao conseguem ver todo trabalho, criação, inspiração e carinho que uma peça artesanal carrega.
Por outro lado, ainda bem que existem pessoas com sensibilidade que dão valor ao que fazemos.
Bjs !!

Julia Valsecchi disse...

Ah adorei parabéns ,,,, um dia terei a coragem também... as pessoas acham que é fácil não??/
Eu faço docinhos , como 1,80 a uidade o mais barato e alguns me falam que eu cobro preço de ouro (na verdade é aquele povihno, que naõ entende nada )....
beijos e parabéns pelo maravilhoso trabalho

Patricia Daltro disse...

Li seu post quase com lágrimas nos olhos, como me identifiquei com ele! Sofro direto com isso, pessoas que não valorizam nosso trabalho, que insistem em pedir descontos, sem valorizar o trabalho que é feito! Pessoas que não entendem que toda peça feita é um filho único, que não vai ter nunca outro igual, não há como mensurar isso. Parabéns pelo seu post!

lella sodré disse...

Lu, vc fez uma coisa que sempre tive vontade mas nunca fiz e pior, acabei desistindo de vender minhas peças, era sempre assim," Nossa, mas ta caro!!!! Vc comprou os tecidosaqui mesmo??? Bla bla bla, desanimei total sabia: adorei o blog

Renata Ilha disse...

Ótimo texto, Lu! Este ano iniciei meu percurso de dedicação exclusiva ao artesanato com mandalas de fios. E muitas vezes sinto o mesmo que tu escreve, não tenho paciência com quem não valoriza a arte. Não é só um produtos que está ali, à venda. Está nosso empenho em aprender, pesquisar, estudar, testar técnicas e materiais. Nossas horas buscando inspiração e se dedicando a fazer com zelo cada peça. Felizmente, ainda tem muita gene que consegue enxergar esse valor!

Te convido a conhecer minha arte na minha página no facebook
https://www.facebook.com/mandalasdefios

Um abraço!

Renata Ilha
mandalas de fios