quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Papai Noel



Querido Noel,

Encontrei essa foto que tiramos no ano passado, lá no shopping Iguatemi, assim que desembarquei em Porto Alegre.
Não tinha nem encontrado minhas filhas, mas do aeroporto fui direto te encontrar, pq era necessário um agradecimento ao ano. Pela saúde, pela vida. O ano não havia sido fácil (nunca é...)mas era momento de gratidão.
E lembro bem, me parei na fila (no meio de um monte de crianças) e atrás de mim um casal brigando pq a mulher queria que o marido tirasse uma foto dela contigo. E o cara falou "larga de bobagem, não tá vendo que nessa fila só têm crianças?". Olhei prá trás e, é claro, não consegui permanecer calada - "não se preocupe, em tenho 36 e estou na fila".
O cara ficou calado e deve ter me achado uma ridícula.

Bem, Noel, outro ano chegando ao fim... também não foi fácil. Aliás, a vida não é fácil, quem fala que é tá mentindo. E escrevo prá te avisar que irei de novo te encontrar, prá gente bater aquele papo rápido (enquanto a galera inteira fica na fila querendo tirar uma fotinho contigo, entregar a mamadeira, ganhar balinhas ou deixar cartinhas).
Agradecerei de novo. Pelo ano, pelo trabalho (mesmo que excessivo), pela saúde de todos, pelas amizades que hoje em dia são raras, por reaprender que brincar de boneca é delicioso, pela condição que temos de cair e levantar com mais força.
Pedirei algo, mas não é caro e só depende de mim. Quero que tu me ajudes a ser uma pessoa melhor, a corrigir os erros e lacunas que posso ter deixado, porque eu quero que 2009 seja um ano muito gostoso. Minhs filhas estão grandes, e isso me deixa extremamente feliz. Quero ter o misto de firmeza e doçura que as mães precisam. Quero ser profissional, me qualificar e crescer. E quero, é claro, costurar... muito!
Depois a gente conversa pessoalmente!

quinta-feira, 20 de novembro de 2008



















Depois de um ano lotado de datas, o susto: 2008 está acabando. Foi-se carnaval, páscoa, halloween, aniversários, dia do amigo, dia da criança, dia do pai, dia da mãe, da vovó, dias dias dias e suas comemorações.
Então, é a vez do Natal! Confesso que as festas me são bastante nostálgicas, mas é sempre um excelente momento para estar pertinho de quem gosto muito.
Acho essa época de natal uma verdadeira delícia. Também, só esse clima de papai noel prá salvar o humor dos mortais que estão enroladíssimos em finalizações de trabalhos pendentes, etc etc etc e toda aquela correria que todo fim de ano tem. Não tem quem escape.
Eu, particularmente, trabalho o dobro em novembro e dezembro. Não estou reclamando, já é praxe. Essa é a época de maior sucesso dos meus crafts. Pinheirinhos, corações, botas, panôs, noelzinhos, estrelas, presépios, anjinhos, etc etc etc. Mas o cheirinho de natal vem da cozinha, quando chego do trabalho e encontro fornadas de biscoitos de mel, feitos carinhosamente pela Didi, aguardando minha total disponibilidade para confeitá-los nas próximas horas.
Adoro essas tradições natalinas. Biscoito lembra infância, infância lembra os natais na casa das vós... eram duas festas na mesma noite.
Na vó Léps, depois do jantar tudo de bom, as mulheres iram prá cozinha lavar a louça enquanto a gurizada era despistada para que o papai noel colocasse os presentes debaixo do pinheiro. Cantávamos "noite feliz" (ai que deprê...sempre sinto vontade de chorar) e depois as emoções de abrir os presentes. Seguindo a noite, alguns quilômetros depois, chegávamos na vó Norma. O pinheiro era natural; se encostasse o dedo com um pouco de força nas bolinhas elas se espatifavam no chão... algumas luzinhas que piscavam e uns clips metálicos que firmavam pequenas velas, que eram acesas na noite de natal. Já chegávamos na hora da sobremesa... e o natal seguia no dia seguinte, com churrasco e primos.

as avós continuam firmes, mas hoje curtem o natal preparado por nós... enquanto ficam zonzinhas com a barulheira das crianças... os rodolfos já se foram ... fica a saudade e a lembrança!
e a vida continua!